Seleção e adaptação de AASI para bebês: verificação in situ das diferentes características morfofisológicas da orelha externa

Patricia Simonetti, Orozimbo Alves Costa Filho

Resumo


O objetivo deste trabalho foi discutir implicações das diferentes características morfofisiológicas da orelha externa de bebês na seleção das características físicas e eletroacústicas do aparelho de amplificação sonora individual para essa faixa etária. Este estudo é importante à medida que bebês cada vez mais novos tornam-se candidatos à amplificação. O estudo teórico revelou que as características da orelha externa são diferentes para bebês e que, antes do dois anos de idade , não se assemelham às características do adulto. O ganho do aparelho de amplificação sonora individual (AASI) na orelha (REAR), bem como o ganho de inserção (REIR) foram analisados em várias crianças de idades que variavam de 3 meses a 5 anos e seus resultados discutidos. Os bebês de 0 a 24 meses apresentaram valores maiores para o ganho de inserção, nas freqüências de 3000 e 4000 Hz, quando comparados ao grupo de 3 a 5 anos. Os resultados deste trabalho sugerem que a mensuração da ressonância da orelha externa, assim como a seleção dos parâmetros eletroacústicos, seja conduzida individualmente nessa faixa etária.

Palavras-chave


amplificação, bebês, ganho de inserção.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.