A constituição de sujeitos no grupo terapêutico fonoaudiológico – identidade e subjetividade no universo da clínica fonoaudiológica

Ivone Panhoca, Ana Paula Dassie Leite

Resumo


Defende-se, aqui, que conceitos como “identidade” e “subjetividade” pressupõem construção no universo interativo da língua(gem), o que significa dizer que pressupõem construção no universo das produções conjuntas de significados lingüístico-sociais.
O sujeito aqui analisado – FL – fez parte, durante um ano, de um grupo terapêutico-fonoaudiológico que foi trabalhado semanalmente durante 10 meses, em sessões de uma hora de duração. O grupo era composto pela terapeuta e por cinco crianças (três meninos e duas meninas), na faixa etária de 7 a 11 anos. Metodologicamente, assumiu-se que o objeto de estudo é a língua em atividade e a relação do sujeito com ela.
Enfatiza-se a importância da língua(gem) na construção da identidade do sujeito e o papel da clínica fonoaudiológica na reconstrução da relação do sujeito “mal falante” com a língua da comunidade onde ele está inserido e – por meio disso – com essa comunidade.

Palavras-chave


linguagem, fonoaudiologia, grupo.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.