A escrita e prática fonoaudiológica com crianças surdas/deficientes auditivas

Maria Cecília Bonini Trenche, Clay Rienzo Balieiro

Resumo


O objetivo deste estudo é apresentar os resultados de uma pesquisa que investigou, junto a fonoaudiólogos, as principais transformações teórico-metodológicas ocorridas no trabalho com a escrita no atendimento clínico de crianças surdas/deficientes auditivas nos últimos anos. A partir das falas de fonoaudiólogas entrevistadas, as autoras identificaram temas que foram trabalhados em um texto-síntese que reúne elementos de diferentes depoimentos, sob a forma de um discurso coletivo, uma vez que busca dar voz a profissionais que atuam no referido campo.Em seus relatos, os fonoaudiológos revelam que, atualmente, o trabalho com a escrita da criança surda/deficiente auditiva vem se realizando não mais em função das falhas (morfossintáticas) geralmente observadas na escrita dessas crianças, mas em função da necessidade que os fonoaudiólogos identificam de se construir com essas crianças um sistema de referência – uma “memória do que se diz” ou se fala no cotidiano. Abordagem fundamental para que a criança surda/deficiente auditiva possa produzir sentido a partir do que lê e escreve; sentido esse que se constrói na e pela interdiscursividade.

Palavras-chave


deficiência auditiva; surdez; escrita; terapia fonoaudiológica

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.