Análise clínica do brincar de crianças do espectro autista

Ellen Fernanda Klinger, Ana Paula Ramos Souza

Resumo


Este trabalho buscou comparar o brincar livre em crianças do espectro autista por meio de dois instrumentos distintos. Tais instrumentos foram a análise das transcrições, com foco psicanalítico, e a análise por meio do protocolo de observação comportamental de origem teórica da cognição social.  A partir de tal comparação, objetivou-se analisar as contribuições desses instrumentos para pensar a intervenção terapêutica. Fizeram parte do estudo três díades mãe-criança. Os procedimentos constituíram-se de entrevista inicial com as mães e filmagens de 30 minutos de cada uma das díades em situação de interação no brincar livre. Os resultados obtidos com o uso do protocolo e da transcrição revelam pontos de convergência e divergência como a análise da funcionalidade e nível de simbolismo no brincar das crianças. Enquanto a avaliação observacional fornece um olhar qualitativo que permite confirmar ou refutar dados do protocolo, este fornece dados quantitativos que permitem comparar cada sujeito a distintas populações, permitindo também objetivar os dados para confirmar ou não as impressões advindas do olhar qualitativo.


Palavras-chave


Relações Mãe-filho; Linguagem infantil; transtorno autístico.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.