Amamentação em prematuros: conhecimentos, sentimentos e vivências das mães.

Mariana Ramalho Cruz, Luciana Tavares Sebastião

Resumo


Introdução: A amamentação em prematuros deve ser estudada buscando melhor compreensão da situação vivida pelo binômio mãe-bebê, para, dessa forma, se delinearem as estratégias de enfrentamento das dificuldades que possam comprometer o aleitamento materno e a saúde materno-infantil. Objetivos: Analisar conhecimentos, sentimentos e vivências de mães de bebês prematuros em relação à amamentação. Métodos: Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 20 mães de bebês prematuros que por algum tempo permaneceram internados em UTI Neonatal. Resultados: Referente aos conhecimentos das mães em relação à amamentação, os relatos expressaram os benefícios desta prática que, em sua maioria, limitaram-se apenas aos benefícios que envolvem a saúde do lactente. Com relação aos sentimentos das mães, os sentimentos considerados “positivos” ocorreram com maior freqüência. No que diz respeito às vivências da amamentação na UTI neonatal, os resultados explicitaram expectativas positivas em relação ao cumprimento da maternidade, embora alguns relatos indicaram sentimentos de angústia, medo e dificuldades. Os relatos indicaram ainda que a amamentação no lar ocorreu com maior tranquilidade, no entanto, observou-se grande preocupação com o ganho de peso. Conclusão: Os resultados deste estudo indicam que, embora as mães de prematuros expressem desejo de amamentar, este processo é permeado por dificuldades que ocorrem tanto no processo de trabalho na unidade hospitalar quanto na vivência materna após seu retorno para o lar. Desta forma, profissionais de saúde, dentre eles o fonoaudiólogo, devem envidar esforços para apoiar as mães para o sucesso no processo de amamentação de prematuros. 

 

 

 


Palavras-chave


Aleitamento Materno; Prematuro; UTI neonatal

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.