Autopercepção vocal de crianças disfônicas: o desenho como ferramenta de análise.

Suzelaine Taize Stadler

Resumo


Introdução: são vários os recursos que podem ser utilizados para expressão do pensamento, dentre eles o desenho, que mediado e organizado pela linguagem, torna-se um instrumento de grande valia para análise da autopercepção vocal. Objetivo: analisar a autopercepção vocal de crianças disfônicas a partir de desenhos. Material e Método: trata-se de um relato de caso clínico, com análise microgenética de desenhos elaborados por três crianças, com faixa etária entre 8 a 9 anos e diagnóstico de disfonia. Resultados: para a análise dos desenhos foram usadas duas categorizadas: o modo de grafia utilizado para elaboração do desenho e a significação da produção gráfica em relação à autopercepção vocal. Quanto ao modo de grafia, todos os sujeitos utilizaram caneta, não havendo variação de cores durante a elaboração. Em relação à autopercepção vocal, os parâmetros expostos foram os hábitos vocais, loudness e qualidade vocal. Conclusões: os desenhos se mostraram como recursos eficazes para a representação dos pensamentos, ainda que na criança o conteúdo psíquico esteja em formação. Nesse sentido a representação gráfica pode ser utilizada como um instrumento de análise da autopercepção vocal infantil.

 

 

 

 


Palavras-chave


Autopercepção; Criança; Desenho; Disfonia;Voz.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.