A comunicação suplementar e/ou alternativa na vida de pessoas com paralisia cerebral, adultas e institucionalizadas

Marisa C. Feital da Silva, Silvia Friedman

Resumo


Objetivo: compreender como os recursos utilizados na Comunicação Suplementar e/ou Alternativa podem influenciar a comunicação e a vida de duas pessoas com Paralisia Cerebral, sem fala oralmente articulada, institucionalizadas, bem como influenciar a instituição em que se encontram. Método: pesquisa exploratória utilizando estudo de caso envolvendo observação. Durante seis meses filmaramse e registraram-se por escrito sessões fonoaudiológicas com dois sujeitos, nas quais se construíram pranchas de comunicação usando o Sistema Suplementar e Alternativo de Comunicação “Picture Communication Symbols” (P.C.S.) A pesquisadora também observou a rotina da instituição, para obter dados do contexto. Resultados: o trabalho teve efeito positivo para a subjetividade dos participantes, que puderam colocar-se de forma autônoma perante os outros a partir do uso do P.C.S. A instituição reagiu estranhando e não acolhendo essa nova condição. Conclusão: embora a CSA possa ser ferramenta efetiva para ajudar os internos de uma instituição a sair de uma posição de isolamento dando-lhes voz, ela, por si só, não basta, pois há também condições políticas e ideológicas que precisam ser modificadas para que ela se torne instrumento efetivo.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.