Aplicabilidade da resposta auditiva de estado estável em campo livre na avaliação de bebês e crianças usuárias de próteses auditivas

Érika C. Bucuvic, Maria Cecília M. Iorio, Adriana N. Andrade, Eliara P. Vieira

Resumo


A resposta auditiva de estado estável (RAEE) pode ser captada utilizando vários tipos de transdutores como fones supra-aurais, fones de inserção, vibrador ósseo e alto falante. A avaliação por meio de alto falante pode ser utilizada na determinação dos níveis mínimos de resposta em campo livre com e sem próteses auditivas. Objetivo: avaliar a aplicabilidade da RAEE em campo livre segundo a saída máxima do transdutor e tempo de exame. Métodos: Foram avaliadas 27 crianças com perda auditiva neurossensorial bilateral de grau moderado a profundo com faixa etária entre oito meses e 12 anos por meio da audiometria tonal e RAEE em campo livre, com e sem as próteses auditivas. Resultados: Na condição sem prótese auditiva, a presença de respostas na audiometria foi maior que na RAEE. Na condição com prótese auditiva, a presença de respostas na audiometria e na RAEE foi igual para as freqüências de 1000, 2000 e 4000 Hz. Não foi observada associação entre o tempo de exame e idade. O menor tempo médio de exame foi observado na perda auditiva de grau profundo, na condição sem prótese auditiva. Conclusões: Na condição com prótese auditiva, a presença de resposta tende a 100 % em ambos os procedimentos de avaliação nas diferentes freqüências. Não há associação entre o tempo de exame e variável idade. O tempo de exame nas crianças com perda auditiva de grau moderado e severo é maior do que no grau profundo, na condição sem prótese auditiva. Na condição com prótese auditiva, não há associação entre tempo de exame e o grau da perda auditiva.

Palavras-chave


resposta auditiva de estado estável, auxiliares de audição, perda auditiva

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.