Língua de sinais e língua materna

Lucimar Bizio

Resumo


Este artigo tece considerações sobre a aquisição da língua materna, pelo surdo, e sobre como esta questão foi e tem sido tratada teoricamente até aqui. Para encaminhar a reflexão sobre o tema em questão foi necessário desnaturalizar termos que circulam livremente no campo dos estudos sobre a surdez. Entre eles, destaca-se o de língua materna, L1 e L2, uma vez que, na abordagem bilinguista, entende-se a Língua de Sinais como L1, enquanto a escrita do português é considerada como segunda língua – L.2. Alguns autores foram selecionados para falar sobre o assunto. Foram abordadas as possibilidades de contribuição do diálogo com a Linguística e também com a Psicanálise, com vistas a considerar a singularidade do surdo. Neste trabalho está em questão a relação singular da pessoa surda com a linguagem, que movimentou as discussões sobre a língua materna do surdo, o que é L1 e L2.


Palavras-chave


Escrita do surdo, Língua materna, Primeira língua, Segunda língua.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)