As Atividades de extensão acadêmica conforme o ordenamento jurídico vigente: um estudo de caso sobre a Universidade Federal de Rondônia

Elton Emanuel Brito Cavalcante

Resumo


A universidade pública contemporânea não pode ser entendida sem a interação do tripé ensino-pesquisa-extensão. Esta tríplice função surgiu com as agitações sociais oriundas das revoluções industriais e do advento do socialismo como movimento reivindicador de uma sociedade mais equânime. No entanto, em muitos centros de ensino superior brasileiros, o referido tripé, embora preconizado constitucionalmente, não é obedecido. A extensão, principalmente, fica para segundo plano, pois não há investimentos estatais e nem interesse por parte dos pesquisadores em realizá-las de acordo com as exigências da lei. Assim, as atividades de extensão nem sempre correspondem ao objetivo idealizado pelo legislador, tornando-se atividades inócuas ou desprovidas de uma utilidade real para a comunidade que circunda a universidade. O objetivo deste trabalho, portanto, é analisar como as atividades de extensão estão sendo efetivadas nos cursos de graduação da UNIR em Porto Velho.

 


Palavras-chave


ATIVIDADES DE EXTENSÃO; UNIVERSIDADE PÚBLICA; ENSINO; PESQUISA

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Inês Lacerda. Introdução à Filosofia da Ciência. Curitiba, PR, UFPR, 1993.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo

científico. Tradução: Denice B. Catani. Ed. UNESP. São Paulo, 2004.

____________. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BUARQUE, Cristovam. A universidade na encruzilhada. In: UNESCO. Educação superior:

reforma, mudança e internacionalização. Brasília: Unesco Brasil, 2003. p. 21-74.

BURLAMAQUI, M. G. B. Qualidade no ensino superior: um estudo sobre a influência de

determinados fatores no Exame Nacional de Cursos. Brasília, DF, 2004. Dissertação

(mestr.). Universidade de Brasília.

CABRAL, Nara G. Saberes em Extensão Universitária: contradições, tensões, desa�os e

desassossegos. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

CHERQUES, Hermano Roberto. John Rawls: a economia moral da justiça. Revista

Sociedade e Estado. Vol. 26., nº 3. Brasília. 2011.

DA SILVA, Oberdan Dias. O que é extensão universitária? Revista Integração III, 148~9,

maio de 1997. Disponível em:

file:///C:/Users/user/Desktop/O%20que%20%C3%A9%20extens%C3%A3o%20univesi

taria%20FUNDAMENATAL.html . Acesso em 22. 02. 2017.

DINIZ, Flávio P. A Extensão Universitária como instrumento de política pública.

Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia,

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. Ed. Saraiva. 2002.

ESTRADA, L. R. G. Hacia un modelo de evaluación de la calidad de instituciones de

educación superior. Revista Iberoamericana de Educación. OEI, n. 21, set./dez. 1999.

FARIA, Dóris S. (Org.). Construção conceitual da Extensão Universitária na América

Latina. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2001.

FARIAS, Milene Cristine Moreira; FARIAS, Michelle Moreira; SOARES, Leandro Rafael.

Ensino, pesquisa e extensão: histórico, abordagens, conceitos e considerações. Disp.

em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20564/10969 Revista

em Extensao. Acesso: 14.02.17, Uberlandia, MG, 2010.

FERRAZ, Anna C. da Cunha. A autonomia universitária na Constituição de 05.10.1998.

Disponível em: http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/revistaspge/revista/tes5.htm

Acesso: 05.10.2016.

FERRER, A. T. La Evaluación y la calidad: dos cuestiones sometidas a discusión. Ensaio:

avaliação e políticas públicas em educação. Rio de Janeiro: Fundação Cesgranrio, v.

, n. 22, p. 25-46, jan./mar. 1999.

FORPROEX. Fórum De Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas

Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus, AM, maio 2012.

Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

FORGRAD. Resgatando espaços e construindo ideias: ForGRAD 1997 a 2004. 3. ed.

Uberlândia, MG: EDUFU, 2004. Disponível em:

. Acesso em: 10

out. 2014.

GIVERTZ, Harry K. Estado de bienestar. In: SILLS, David L. (Org.) Enciclopedia

Internacional de las Ciencias Sociales. 2. ed. Madrid: Aguilar, 1969. v. 2.

GONÇALVES, Nadia Gaiofatto. Indissociabilidade entre ensino pesquisa e extensão: um

princípio necessário. Revista da UFSC. Disponível em:

https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/37162 Acesso em

02.2017

GRAIEB, Carlos. Uma locomotiva da globalização. VEJA on-line, edição 1891, de 9 de

fevereiro de 2005. Disponível em . Último acesso em

03.2013.

LUTAIF, Michel Kurdoglian. A autonomia universitária na visão do supremo tribunal

federal. Disponível em:

http://www.sbdp.org.br/arquivos/monografia/261_Michel%20Lutaif.pdf Acesso em

10.2016.

MACIEL, A. S. O princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão: um

balanço do período 1988-2008. 2010. 195 f. Tese (Doutorado em Educação) –

Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2010. Disponível em

Acesso: 10 out.

MAGNANI, Ivetti. Ensino, pesquina, extensão e a nova tipologia

REVISTA Learn Europe. Modelos del Estado de bienestar en Europa

<http://www.learneurope.eu/index.php?cID=329 Acesso: 15.04.2015.

ROCHA NETO, Luiz Henrique da. A formação do estado brasileiro: patrimonialismo,

burocracia e corrupção. Revista do Mestrado em Direito. UCB. Disponível em:

http://portalrevistas.ucb.br/index.php/rvmd/article/viewfile/2598/1589.html acesso em: 13

de agosto de 2015.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Da ciência moderna ao novo senso comum. In: A crítica

da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 4ª ed. São Paulo. Ed. Cortez.

_________; MENESES, M. P.; NUNES. J. A. 2004. Introdução: para ampliar o cânone da

ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: ______. (org.). Semear outras

soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Porto:

Afrontamento.

____________. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e

emancipatória da Universidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005a.

SIL____________. Da ideia de Universidade à Universidade de ideias. In: SANTOS,

Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pósmodernidade. 10.

ed. São Paulo: Cortez, 2005b. p. 187-233.

VA, Aurélio R. A contribuição da Extensão na formação do estudante universitário.

Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Goiás, Goiânia,

WANDERLEY, Luiz Eduardo. Movimentos Sociais Populares: Aspectos Econômicos,

Sociais e Políticos. Encontros com a Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, v.3, n. 25,

VIEIRA, Carina S. Extensão Universitária: concepções presentes na formalização,

propostas e práticas desenvolvidas na Universidade Federal do Paraná (1968-

. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná,

Curitiba, 2014.

VILLA, Marco Antonio. Gilberto Freyre foi um dos fundadores do pensamento social do

Brasil. Folha de São Paulo. 2007. Disponível em:

http://www.controversia.com.br/blog/gilberto-freyre-foi-um-dos-fundadores-do

pensamento-social-no-brasil/. Acesso em: 13 de agosto de 2015.

LEGISLAÇÕES

BRASIL. Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004: Institui o Sistema Nacional de Avaliação da

Educação Superior (Sinaes) e dá outras providências.

________. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Vade Mecum

Saraiva, 2016.

________. Portaria MEC n. 20.051, de 9 de julho de 2004: Regulamenta os procedimentos de

Avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Estudos

em Avaliação Educacional, v. 19, n. 39, jan./abr. 2008 151.

_________. Lei 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá

outras providências. Brasília, DF, 2001.

________. Decreto-Lei n 3.860, de 9 de julho de 2001. Dispõe sobre a organização superior, a

avaliação de cursos e instituições, e dá outra providências. Brasília, DF, 2001.

_________. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996: Estabelece as diretrizes e bases da

educação nacional.

_________. Lei n. Lei 11.892, de 29 de dezembro de 2008: Institui a Rede Federal de

Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de

Educação, Ciência e Tecnologia.

_________. Lei 10.973, de dezembro de 2004: Dispõe sobre incentivos à inovação e à

pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo.

_________. Decreto-lei nº 19851, de 11 de abril de 1931.




DOI: https://doi.org/10.23925/2596-3333.2019v1i1a4

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.