Cidades que em nós se fazem: Lisboa - Livro de Bordo (1997) José Cardoso Pires como ‘entre-lugar’

Orlando Grossegesse

Resumo


Uma leitura de Lisboa – Livro de Bordo (1997) de José Cardoso Pires à luz dos escritos de Walter Benjamin e Le città invisibili (1972) de Italo Calvino revela a complexidade deste texto híbrido, não só reflexivo acerca da construção discursiva plural de ‘Lisboas’ mas também criativo. Através de colagem e de ‘escrita oral’ produz-se uma espécie de conversa ilustrada na qual interagem prática e teoria literária, culminando, tal como Benjamin e Calvino, numa reflexão alegórica sobre o próprio ofício de escrever. A questão da grande cidade como lugar de memória leva ao livro (texto e imagem) como ‘entre-lugar’ que reivindica a legibilidade da cidade.

Palavras-chave


Lisboa; Cardoso Pires; Grande cidade; teoria do lugar

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: