Antonio Candido, Eduardo Lourenço e Lino Micciché: a literatura brasileira no circuito da recepção externa do Cinema Novo

Paula Regina Siega

Resumo


No presente trabalho, apresentamos e discutimos textos que abordam a literatura brasileira e que foram divulgados no circuito da circulação externa do Cinema Novo. Inicialmente, chamamos a atenção para a comunicação de Antonio Candido lida na mesa redonda dedicada ao movimento cinemanovista, em 1965, na Itália, assim como para textos de Carlos Diegues e Glauber Rocha. Em relação aos dois cineastas, evidenciamos como a literatura brasileira foi por eles delineada como antecedente cultural do Cinema Novo. Apoiando-nos na teoria de Jauss, entendemos a recepção crítica como evento criativo, e procuramos indicar de que forma os textos cinemanovistas funcionaram, para o crítico estrangeiro, como chave de leitura acerca das relações entre o jovem cinema e a literatura brasileira. Como exemplo desta recepção textual, tomamos em consideração os ensaios de Eduardo Lourenço e Lino Micciché sobre o Cinema Novo, publicados na Itália em 1969 e 1970, respectivamente.

Palavras-chave


Literatura; Crítica; Cinema; Cultura brasileira; Jauss

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2017i19p163-180

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: