“COMEÇOU ENTÃO/ UMA NOITE MUITO COMPRIDA”: O TESTEMUNHO BOPPIANO SOBRE A ESCRAVIDÃO NO BRASIL

Yasmeen Pereira da Cunha

Resumo


Este artigo busca analisar o livro de poemas Urucungo (1932), de Raul Bopp, e sua relação com o discurso historiográfico dominante. Assumindo a missão de “escovar a história a contrapelo”, tal como aparece em Walter Benjamin (2012), o sujeito lírico dos poemas, que se configura como testemunha, narra a história da escravidão no Brasil a partir da perspectiva do oprimido. Com isso, este mesmo sujeito lírico, ao reconstruir a história oficial utilizando-se de imagens da memória, propicia a rememoração ativa do passado, na tentativa de compreendê-lo, mas também de marcar os ecos desse passado no presente para barrar a continuação da opressão sofrida pelos negros. Partindo desse eixo de análise, serão norteadores os trabalhos de Florestan Fernandes (1965), Antônio Hohlfeldt (1998), Jaime Pinsky (1998) e Jeanne Marie Gagnebin (2009).


Palavras-chave


Raul Bopp; Urucungo; Escravidão; Brasil; Testemunho

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i20p63-80

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: