Saúde e Segurança no Trabalho: relevância social e gerador de lucro

Emilene Faria Mesquita, José Eduardo Pereira Filho, Ana Maria Gomes Braga

Resumo


A área de Saúde e Segurança no Trabalho tem papel indireto, mas, ainda assim, fundamental, ao equilíbrio emocional e financeiro de muitas famílias, pois sua atuação evita ocorrências que poderão ocasionar o afastamento do indivíduo no trabalho por acidentes de forma temporária ou até mesmo permanente. No entanto, muitos gestores, ainda não se atentaram para o fato que esse prejuízo não afeta apenas a família do afastado, mas com o tempo afetará também os resultados da empresa. Assim, o administrador precisa estar cada vez mais atento e entender que os custos envolvidos na Saúde e Segurança do Trabalho são custos relevantes e de oportunidade e precisam ser analisados para decisões mais assertivas que não gerem impactos negativos à longo prazo para as empresas.  Dessa forma, objetiva-se apresentar a necessidade de conhecer os custos de saúde e segurança no trabalho para se obter uma análise com resultados mais eficazes e assim potencializar essa ferramenta para alavancar os negócios. No presente artigo foi evidenciado que a correta classificação e análise dos custos de saúde e segurança no trabalho contribuem para redução de gastos e geram muitos benefícios, maximizando assim o lucro das empresas.


Texto completo:

PDF

Referências


ATKINSON, Anthony A. et al. Contabilidade Gerencial. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000. Cap.3, p. 127-129. Cap.4, p.182-185. Cap.8, p. 413-420.

BANDINI, Marcia. Trabalho Saudável. Revista Proteção, São Paulo, n.302, p. 18, fevereiro. 2017.

CARVALHO, Júlia. Como a Nike está lutando contra o uso de mão de obra escrava.

Exame.com. São Paulo, abr. 2014. Negócios. Disponível em:

Acesso em: 13 abr. 2017.

CHIAVENATO, Idalberto. Higiene, Segurança e Qualidade de Vida. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. Cap.15, p. 470-495.

CORBARI, Ely Célia; MACEDO, Joel de Jesus. Administração estratégica de custos. Curitiba: IESDE, 2012. Cap.1, p. 13-23.

D’ANGELO, Flávio Pereira da Silva. Redução de custos. [vídeo] São Paulo, jul. 2016. Escola Superior de Engenharia e Gestão. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2017.

FACTS. Vantagens para as empresas de uma boa segurança e saúde no trabalho. Jan. 2008.

Agência Européia para Saúde e Segurança do Trabalho. Disponível em:

. Acesso em: 18 mar. 2017.

FIORENTINO, Giovanni. et. al. Controlando efetivamente custos administrativos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

G1.GLOBO.COM. Veja repercussão sobre acidente nas obras do estádio do Corinthians. São Paulo. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2017.

GARRISON, Ray H; NOREEN, Eric W; BREWER, Peter C. Contabilidade gerencial. 14.ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. Cap. 2, p. 23-46. Cap. 12, p. 526-540.

IEL, Instituto EuvaldoLodi. Curso Histórico da Gestão de SST. Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho - OHSAS 18001. Brasília: IEL/NC, 2013. Cap. 6, p. 10-19.

KARNAL, Leandro. O tempo corrói tudo. Estamos em mudança permanente. Revista CRA-RJ, Rio de Janeiro, n.107, p. 08-10, setembro. 2015.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2001. parte 2, p. 51-56. parte 3, p. 249-252.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2010. parte 2, p. 24-27. parte 3, p. 234-243.

MOSSAMBANI, Edney Marcos. Gerenciar Custos e Crescer. [vídeo] São Paulo, nov. 2015. Sevilha Contabilidade. Disponível em: https://www.youtube.com/ watch?v=vY5aAKGdtLc. Acesso em: 11 mar. 2017.

NICOLAI, Gustavo. Os desafios da gestão estratégica em SST. [vídeo] Natal, abr. 2016. Casa da Indústria SESI-RN. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

OMS. Ambientes de trabalho saudáveis: um modelo para ação: para empregadores, trabalhadores, formuladores de política e profissionais. Brasília: SESI/DN, 2010. Disponível em: < http://www.who.int/occupational_health/ambientes_de_trabalho.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2017.

PADOVEZE, Clovis Luis. Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura e aplicação. São Paulo: Thomson Learning, 2007. Cap. 9, p. 93-95.

PROTEÇÃO. Prêmio Proteção Brasil. Revista Proteção, São Paulo, n.303, p. 77-79, março. 2017.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de custos fácil. 8.ed. São Paulo: Saraiva, 2013. Cap. 2, p. 17-28

ROJAS, Pablo. Técnico em segurança do trabalho. Porto Alegre: Bookman, 2015. Cap. 1, p. 1-19.

WARTCHOW, Martina. Análise Ergonômica. Revista Proteção, São Paulo, n.302, p. 44-59, fevereiro. 2017.




DOI: https://doi.org/10.23925/cafi.v1i2.36893

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

A Revista CAFI apoia a Declaração de São Francisco sobre Avaliação de Pesquisa (DORA)

 Cirad assina a Declaração de São Francisco sobre a avaliação da pesquisa (DORA). Logo da iniciativa DORA



Indexadores

Conforme Qualis único de  2017-2018 (divulgado em 2019)


 

 

 

logo

 

Diretórios 

 

 

 

 

Creative Commons

 

A Revista Cafi adota a licença do CC-BY Creative Commons Attribution 4.0

 


ISSN 2595-1750