PROCESSO CIVIL E RELAÇÕES ECONÔMICAS INTERNACIONAIS

Marcel Brasil de Souza Moura

Resumo


No presente estudo, pretende-se verificar como as relações econômicas internacionais tendem a interferir nas ordens jurídicas dos países, especificamente no processo civil brasileiro. Mais do que analisar profundamente tal interferência, pretende-se indicar elementos para reflexão e instigar estudos aprofundados.

Palavras-chave


Relações Econômicas Internacionais – Processo Civil.

Texto completo:

PDF

Referências


ASDRUBAL JUNIOR. Prazo impróprio – o vilão da morosidade. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2016.

BEZERRA FILHO, Manoel Justino. Nova lei de recuperação e falências comentada. 3ª edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

DAKOLIAS, Maria. Documento técnico número 319 do Banco Mundial. O setor judiciário na América Latina e no Caribe: elementos para reforma. Tradução de Sandro Eduardo Sardá. Disponível em: . Acesso em> 31 nov. 2016.

GAZZONI, Marina. Só 1% das empresas sai da recuperação judicial no Brasil. O Estado de São Paulo, São Paulo, 14 out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2016.

GUIMARÃES, Antônio Márcio da Cunha. Tratados internacionais. São Paulo: Aduaneiras, 2009.

1

Revista de Direito Internacional e Globalização Econômica. Vol 1, nº 1, jan-jun 2017, p. 14-21. ISSN2526-6284

MEDINA, José Miguel Garcia. Prequestionamento e repercussão geral: e outras questões relativas aos recursos especial e extraordinário. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

OLIVEIRA, José do Carmo Veiga de. A força do efeito vinculante no novo CPC: mercado, economia, globalização, sistema jurídico e direitos humanos fundamentais. Belo Horizonte: D`Plácido, 2016.

PINHEIRO, Aline. Prateleiras cheias Itália é a campeã de lentidão judicial na Europa. Disponível em: . Acesso em: 27 nov 2016.

TITÃS. Disneylândia. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2016.

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim; WAMBIER, Luiz Rodrigues (coordenadores). Novo código de processo civil comparado: artigo por artigo. 2.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.