De monumentos e alegorias políticas: a Babilônia de Griffith e a dos Taviani

Autores

  • Ismail Xavier

Resumo

Este artigo discute as relações entre nacionalismo, ideias de progresso e cinema no perído da Primeira Guerra Mundial, a partir do cotejo entre representação de D. W. Griffith e de Hollywood feita em Bom dia Babilônia (1987), dos irmãos Taviani, e o enfoque de temas correlatos presente nos filmes realizados pelo cineasta americano, em particular Intolerância (1916). Em contraposição à idealização de Griffith e do cinema feita pelos Taviani, comenta o messianismo nacionalista presente na obra do cineasta, acentuando o que há nela de alegoria política afirmadora de uma supremacia então em gestão.

Downloads

Publicado

2019-02-01

Edição

Seção

Análise