MERCADO CONSUMIDOR DE OSTRA: ESTUDO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM

Autores

Palavras-chave:

Ostra, Mercado, Perfil de consumo.

Resumo

É crescente a exigência dos consumidores pela segurança alimentar, o que tem elevado as responsabilidades das indústrias agroalimentares. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o perfil dos consumidores de ostras na Região Metropolitana de Belém.  Realizou-se pesquisa qualitativa com aplicação de uma survey a 140 respondentes. Conclui-se que 61,4% dos respondentes não consomem ostras, os consumistas são 38, 6%. São necessárias ações tanto dos produtores quanto do poder público, a fim de promoverem eventos e a realização de feiras, para estimular o consumo, visto que a ostreicultura paraense vem se tornando uma alternativa para geração de renda a mais de 80 famílias.

Biografia do Autor

Rodrigo Feio Araujo, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduação em engenharia de pesca pela Universidade Federal Rural da Amazônia.

Cyntia Meireles Martins, Universidade da Amazônia (UNAMA)

Doutora em Ciências Agrárias pela Universidade Federal de Viçosa; Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal de Viçosa. Professora da Universidade Federal Rural da Amazônia, Pesquisadora do Grupo Cadeias Produtivas, Mercados e Desenvolvimento Sustentável. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Administração - PPAD (Mestrado / Doutorado) da UNAMA

Marcos Antonio Souza Santos, Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)

Doutor em Ciência Animal na área de Economia e Gestão de Sistemas de Produção Agropecuários pela Universidade Federal do Pará; Mestre em Economia pela Universidade da Amazônia. Engenheiro Agrônomo, formado pela Universidade Federal Rural da Amazônia com especialização em Administração Rural pela Universidade Federal de Lavras. Professor da Universidade Federal Rural da Amazônia

Barbara Ádria Oliveira Farias Fernandes, Universidade da Amazônia (UNAMA)

Doutora em Administração pela Universidade da Amazônia-Unama. Mestre em Administração pela Universidade de São Caetano do Sul- SP. Formada em Ciências Contábeis pela Universidade da Amazônia. Professora de Ensino a Distância- EAD da Universidade Norte do Paraná -  Unopar

Israel Hidenburgo Aniceto Cintra, Universidade Federal Rural da Amazônia

Doutor em Engenharia de Pesca pela Universidade Federal do Ceará.  Mestre em Engenharia de Pesca pela Universidade Federal do Ceará.  Professor do Curso de Engenharia de Pesca e do Programa de Pós-graduação em Aquicultura e Recursos Aquáticos Tropicais da Universidade Federal Rural da Amazônia

José Luiz Nunes Fernandes, Universidade Federal do Pará - UFPA

Doutorando em Administração pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos- NAEA, Especialista em Contabilidade Empresarial FEA/USP; Mestre em Ciências Contábeis pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Professor adjunto da Universidade Federal do Pará. Perito Contador da Justiça Federal em Belém, Consultor Ad Hoc do Ministério da Educação na área de Contabilidade

Referências

BARNI, E. J.; SILVA, M. C.; ROSA, R. C. C.; OGLIARI, R. A. Estudo do mercado de mexilhões em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Epagri Documento, 210. Florianópolis: Epagri, 2003.

BRABO, M. F., PEREIRA, L. F. S., SANTANA, J. V. M., CAMPELO, D. A. V., VERAS, G. G. Cenário atual da produção de pescado no mundo, no Brasil e no estado do Pará: ênfase na aquicultura. Acta Fish, v. 4, n. 2, p. 50-58, 2016.

BRANDINI, F.P., SILVA, A. S.; PROENÇA, L. A. O. Oceanografia e maricultura. In: VALENTI, W.C., POLI, C.R., PEREIRA, J.A., BORGHETI, J.R, Aquicultura no Brasil: Bases para um desenvolvimento sustentável. Brasilia: CNPq/ Ministério da ciência e tecnologia, p. 107-141. 2000

CHAGAS, R. A.; HERMANN, M. Estimativas de crescimento de bivalves tropicais e subtropicais: recomendação para um método padronizado. Acta Fish, v. 4, n. 2, p. 28-38, 2016.

COCHOY, F. Les effets d'un trop plein de traciabilité. Recherche, n. 339, p. 66-68, 2001.

EPAGRI. Síntese Informativa da maricultura catarinense. Epagri, 2012. Texto técnico. Disponível em: http://cedap.epagri.sc.gov.br. Acesso em: 28 nov. 2013.

FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. The state of world fisheries and aquaculture: opportunities and challenges. Roma: FAO, 2014.

FARIAS FILHO, M. C; ARRUDA FILHO, EMILIO J. M. Planejamento da Pesquisa Científica. São Paulo: Ed. Atlas, 2013.

FERNANDES, L. M. B. Aspectos Fisio-ecológicos do Cultivo da Ostra do Mangue Crassostrea rhizophorae (guilding, 1828). Influência da Salinidade. 1975. 81 p. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 1975.

GRADVOHL, M. P. G. M. Avaliação técnico-financeira de um cultivo da ostra-do-mangue Crassostrea brasiliana (LAMARCK, 1818) na comunidade de Graciosa, município de Taperoá, Bahia. 2014. 73 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) – Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, 2014.

HOSHINO, P. Avaliação e comparação de projetos comunitários de ostreicultura localizados no Nordeste Paraense. 2009. 99 p. Dissertação (Mestrado em Ecologia Aquática e pesca) ¬– Universidade Federal do Pará (UFPA). Belém. 2009.

IBGE. Área territorial oficial. Resolução Nº 01, de 28 de junho de 2018.

MACEDO, A. R. G., SILVA., F. L., RIBEIRO, S. C. A., TORRES, M. F., SILVA, F. N. L., MEDEIROS, L. R,. Perfil da ostreicultura na comunidade de Santo Antônio do Urindeua, Salinópolis, Nordeste Do Pará/Brasil. Observatorio de la Economía Latinoamericana, v. 217, p. 29-39, 2016.

MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. Edição Compacta. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA – MPA. Censo aquícola nacional - 2008. Brasília: MPA, 2013. 336 p.

MONTANINHI-NETO, R. Influência de variáveis ambientais sobre o desenvolvimento de ostras Crassostrea (SACCO, 1897) na baía de Guaratuba, Brasil. 2011. 64 p. Dissertação (mestrado em Ciências Veterinárias) – Universidade Federal do Paraná (UFPR). Curitiba, 2011.

NASCIMENTO, I.A., PEREIRA, S.A., SOUZA, R.C. Determination of the optimum comercial size for the magrove oysters Crassostrea rhizophorae in Todos os Santos Bay, Brazil. Aquaculture, v. 20, p.1-8, 1980.

POLI, C.R., POIL, A.T., SILVEIRA, J.R.N., MAGALHÃES, A. R. M. Sobrevivência de Crassostrea rhizophorae (Guilding, 1828), exposta ao ar em diferentes temperaturas. In: SEMINÁRIO SOBRE CIÊNCIAS DO MAR, I, 1986. Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 1986.

PORTELLE, D.; HAEZEBROECK, V.; RENAVILLE, R. et al. Meat channel traceability. Biotech. Agron. Soc. Environ., v. 4, p. 233-240, 2000.

ROBBS, C.P.K. Resfriamento de sementes Crassostrea gigas (Thunberg,1795) como subsídio ao manejo e à comercialização na região de Florianópolis, SC – Brasil. 2000. 28 p. Dissertação (Mestrado em aquicultura) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, 2000.

SEBRAE. Ideias de Negócios criação-de-ostra. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/como-montar-um-negocio-para-criacao-de-ostras,86387a51b9105410VgnVCM1000003b74010aRCRD. 2018. Acesso em: 28 nov. 2018.

SEBRAE. Nossa Pérola. Revista Movimento (Publicação Institucional do Sebrae no Pará), Rio Grande do Sul, ano 1, n. 1, p. 26-28. Jan./Mar. 2014.

SUPLICY, F. M. Plano Estratégico para Desenvolvimento Sustentável da Maricultura Catarinense (2018- 2028). Florianópolis: Epagri, 2018.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Edição

Seção

Artigos