A crítica de arte de Michel Foucault

Claudio Vinicius Felix Medeiros, Dr. Marcele Linhares Viana

Resumo


Durante toda a década de sessenta, período em que Michel Foucault publica os livros da fase arqueológica, o filósofo escreve, concomitantemente, artigos e conferências que tocam o campo da crítica de arte. O presente artigo busca contornar a aparente dispersão que marcaria tais ditos e escritos, para levantar a hipótese de uma similitude de abordagem entre eles. A primeira metade do texto prepara, por meio de um comentário ao capítulo I de As palavras e as coisas (1966), a atmosfera de produção destes valiosos trabalhos. A segunda dispõe, provisoriamente, três atitudes comuns à excursão de Foucault ao domínio da estética: o falar a partir da obra de arte; a prática de ativar na obra um contínuo inacabamento; o apagamento do autor como modo de ser peculiar da obra.

Palavras-chave


Filosofia Contemporânea; Estética; Ciências Humanas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19176/rct.v0i80.14386

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



ISSN Online 2317-4307 | Impresso (descontinuada) 0104-0529

A Revista de Cultura Teológica e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/culturateo. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/culturateo.


A Revista de Cultura Teológica está:

Associada a:

Indexada em:

  Google Acadêmico

Presença em Bibliotecas: