Inteligência senciente e liturgia

Valeriano dos Santos Costa

Resumo


Muitas vezes se constata que certas celebrações litúrgicas pendem para o sentimentalismo ou para o racionalismo. Isso revela um grave problema, que é reflexo da ruptura entre o sentir e o inteligir, como se fossem duas faculdades numericamente distintas. A retificação desta distorção vem com a inteligência senciente, de Xavier Zubiri, que revolucionou a epistemologia atual, mostrando que a separação entre sentir e inteligir constitui um erro grave, pois “inteligir é um modo de sentir, e sentir é, no homem, um modo de inteligir”. A inteligência senciente trouxe uma luz para a liturgia, na medida em que a unidade entre sentir e inteligir em todas as modalidades da apreensão da realidade (apreensão primordial, logos e razão) exigem a inteireza tanto celebração como no aprofundamento da fé.

Palavras-chave


Liturgia; Sentir; Inteligir; Realidade; Inteligência senciente

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/rct.i90.35978

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Cultura Teológica. ISSN (impresso) 0104-0529 (eletrônico) 2317-4307

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN Online 2317-4307 | Impresso (descontinuada) 0104-0529

A Revista de Cultura Teológica e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/culturateo. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/culturateo.


A Revista de Cultura Teológica está:

Associada a:

Indexada em:

  Google Acadêmico

Presença em Bibliotecas: