Aprendendo a falar com Marie – o uso de objetos como intérpretes na relação com uma criança autista

Ivone C. Dias Gomes

Resumo


O objetivo deste trabalho é compartilhar com os colegas fonoaudiólogos que atendem pacientes autistas, questões e hipóteses de trabalho que emergiram da experiência de sois anos e nove meses de atendimento de uma menina autista, que iniciou quando ela estava com 4 anos de idade. Considerando uma compreensão teórica sobre o autismo e uma noção sobre uma relação transferencial possível na terapia de crianças autistas, busquei demonstrar com exemplos retirados de sessões terapêuticas, uma forma de trabalho que consistiu em expressar minhas idéias para a paciente através de objetos intermediários que chamei de objetos intérpretes. Pretendi destacar, particularmente, os momentos do processo terapêutico nos quais, graças aos usos destes objetos e na vigência de uma relação onde predominava a ilusão fusional, conseguimos um contato não autístico.

Palavras-chave


autismo, terapia fonoaudiológica, objetos intermediários.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.