Benefícios do treinamento auditivo para idosos usuários de aparelhos de amplificação sonora individual (AASI)

Revisão integrativa da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2724.2022v34i2e55068

Palavras-chave:

Estimulação Acústica, Auxiliares de Audição, Percepção Auditiva, Transtornos da Audição, Idoso

Resumo

Introdução: Os Aparelhos de Amplificação Sonora Individual (AASI) são considerados como uma ajuda externa e não solucionam todos os obstáculos de comunicação. Muitos idosos não apresentam bom aproveitamento da amplificação sonora, pois as próteses auditivas não fornecem as habilidades comunicativas ou equivalem à função natural do sistema auditivo. O Treinamento Auditivo tem como princípio desenvolver a neuroplasticidade, promovendo mudanças nas habilidades auditivas e desempenho auditivo mediante estimulação, permitindo que o idoso aprenda a vivenciar os sons de maneira significante. Objetivo: Verificar os benefícios do treinamento auditivo em idosos usuários de AASI. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa. Foram pesquisados artigos nas bases de dados CAPES, SciELO e LILACS, e selecionados aqueles que atendiam aos critérios de inclusão. A questão norteadora que compôs o estudo foi a seguinte: “Quais os benefícios que o treinamento auditivo proporciona aos idosos usuários de próteses auditivas?” Resultados: A partir das combinações dos Descritores em Saúde (DeCS), obteve-se uma amostra de 318 artigos. Após o processo de análise, restaram 6 artigos para responder à questão proposta. Conclusão: O Treinamento Auditivo ocasionou melhora das habilidades de figura-fundo, integração binaural, ordenação e resolução temporal, em idosos usuários de AASI. A associação entre o uso das próteses auditivas e o treinamento auditivo, além de proporcionar audibilidade das informações acústicas, potencializa as habilidades envolvidas no processamento auditivo, independentemente da idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Natana Magri, Universidade Luterana do Brasil

Fonoaudióloga.

Marion Cristine De Barba, Universidade Luterana do Brasil

Fonoaudióloga e Mestre do Curso de Fonoaudiologia da Universidade Luterana do Brasil.

Referências

Buriti AK, Oliveira SH. Adaptação à prótese auditiva em usuários assistidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012; 17(1): 41-6.

Silva A. Novas perspectivas na adaptação de AASI em idosos [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2018.

Barata V. Presbiacusia: fator de risco para o declínio cognitivo? [dissertação]. Lisboa (LX): Universidade de Lisboa; 2019.

Lorio MC, Menegotto I. Próteses auditivas: estado atual. In: Filho O, Campiotto A, Levy CC, Redondo MC, Anelli, W. Novo Tratado de Fonoaudiologia. 3ºed. São Paulo: Manole; 2013. p. 663-96.

Freire K. Estratégias de avaliação e reabilitação em deficientes auditivos adultos. In: Boéchat E, Menezes P, Couto C, Frizzo AC, Scharlach R, Anastasio A. Tratado de Audiologia. 2ºed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2015, p.744-53.

Ribas A, Kozlowski L, Almeida G, Marques J, Silvestre R, Mottecy C. Qualidade de vida: comparando resultados em idosos com e sem presbiacusia. Rev Bras Geriat Gerontol. 2014; 17(2): 253-62.

Machado L. Desenvolvimento de um manual instrutivo de uso do treinamento auditivo computadorizado eArena [dissertação]. São Paulo (SP): Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo; 2015.

Bertuol B. Efeito de um programa de treinamento auditivo na redução do incômodo com o zumbido e nas habilidades auditivas [dissertação]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria; 2017.

Buss LH, Graciolli L, Rossi A. Processamento auditivo em idosos: implicações e soluções. Rev CEFAC. 2010; 12(1): 146-51.

Beier L, Pedroso F, Ferreira MI. Benefícios do treinamento auditivo em usuários de amplificação sonora individual: revisão sistemática. Rev CEFAC. 2015; 17(4):1327-32.

Silveira A, Lessa A, Dornelles S, Teixeira A. Efeito da privação auditiva na perda auditiva sensorioneural em idosos. In: Congresso nacional de envelhecimento humano: Comunicação, tecnologia e envelhecimento: Editora Realize, 2016. 1-5.

Sales C, Resende L, Amaral C. Reabilitação auditiva em adultos: resultados de um programa de treinamento. Rev CEFAC. 2019; 21(5): 1-12.

Olson AD. Options for auditory training for adults with hearing loss. Semin Hear. 2015; 36(4): 284-95.

Morais A. A eficácia do treinamento auditivo acusticamente controlado em idosos com transtorno do processamento auditivo [dissertação]. São Paulo (SP): Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2015.

Gonçales A, Cury MC. Assessment of two central auditory tests in elderly patients without hearing complaints. Braz J Otorhinolaryngol. 2011; 77(1): 24-32.

Pinheiro MM, Dias K, Pereira L. Acoustic stimulation effect on temporal processing skills in elderly subjects before and after hearing aid fitting. Braz J Otorhinolaryngol. 2012; 78(4): 9-16.

Cruz AC, Santos TM. Investigação sobre a influência do uso de aparelho de amplificação sonora individual na habilidade de resolução temporal de um grupo de idosos. Distúrb Comun. 2018: 30(2): 347-56.

Balen S, Silva L. Programas computadorizados no treinamento auditivo. In: Boéchat E, Menezes P, Couto C, Frizzo AC, Scharlach R, Anastasio A. Tratado de Audiologia. 2º edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan; 2015. 772-83.

Publicado

2022-08-01

Edição

Seção

Comunicações