Existir onde não há: o herói fáustico nos “rodamunhos” de loucura do sertão

Marcelo Hime Funari

Resumo


Este estudo se propõe a uma análise da relação entre pacto demoníaco e loucura em Grande sertão: veredas (1956), a qual é corroborada pelo misticismo que se desenvolve, no romance, em torno do sertão. A princípio, mostra-se como esse ambiente impulsiona a inventividade e a fantasiação, da mesma forma que outros elementos do texto, como sua constituição incerta enquanto produto da memória e tentativa de organização do sujeito. A partir disso, o trabalho percorre brevemente a tradição do motivo fáustico na literatura, situando-o, no romance de Rosa, no terreno da subjetividade, da ambivalência e das vicissitudes do sujeito pactário. Faz-se, ainda, uma aproximação entre a obra em questão e Doutor Fausto, romance de Thomas Mann contemporâneo ao primeiro e que se ocupa do mesmo leitmotiv, possibilitando comparações elucidativas.

Palavras-chave


Pacto fáustico; Loucura; Sertão; Ambiguidade

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JÚNIOR, D. O mundo misturado: romance e experiência em Guimarães

Rosa. Novos Estudos, São Paulo, n. 40, p. 7-29, nov. 1994.

FREUD, S. (1899). Lembranças encobridoras. [S.l.]: [s.n.], 1950. Disponível em: https://bit.ly/3eKvt43. Acesso em: 11 set. 2020.

FREUD, S. O inquietante. In: Obras completas: “O homem dos lobos” e outros textos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. Volume 14. p. 328-376.

FROSH, S. Assombrações: psicanálise e transmissões fantasmagóricas. Trad. Cristiane Izumi Nakagawa. São Paulo: Benjamin Editorial, 2013.

GALVÃO, W. As formas do falso: um estudo sobre a ambiguidade em Grande

sertão: veredas. 1972. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo,

GOETHE, J. W. Fausto: segunda parte. Trad. Jenny Klabin revista e comentada por Marcus Mazzari. São Paulo: Editora 34, 2011. Edição de bolso.

LORENZ, G. 1983. Diálogo com Guimarães Rosa. In: COUTINHO, E. F. (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983. Volume 6. p. 62-97. (Coleção Fortuna Crítica).

MANN, T. Doutor Fausto: a vida do compositor alemão Adrian Leverkühn narrada por um amigo. Trad. Herbert Caro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MAZZARI, M. V. Labirintos da aprendizagem. São Paulo: Editora 34, 2010.

MENESES, A. B. Grande sertão: veredas e a psicanálise. Scripta, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 21-37, 2002. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12381/9681. Acesso em: 11 set. 2020.

RANK, O. O duplo: um estudo psicanalítico. Trad. Erica Schultz. Porto Alegre: Dublinense, 2014.

RONÁI, P. 2015. Três motivos em Grande sertão: veredas. In: ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. p. 13-17.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

WATT, I. Mitos do individualismo moderno. Trad. Mario Pontes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2020i25p126-141

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 FronteiraZ. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.