Fatores que interferem no sono dos alunos idosos da Universidade da Maturidade (UMA), na cidade de Palmas (TO)

Autores

  • Núbia Kênia Carneiro Silva Instituto de Ensino e Pesquisa Objetivo (IEPO) em Palmas (TO), Brasil.
  • Maria Liz Cunha de Oliveira Universidade Católica de Brasília. (UCB). Brasília (DF), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-901X.2015v18i1p129-150

Palavras-chave:

Idoso, Sono, Distúrbios relacionados ao sono.

Resumo

O processo de senescência ocasiona mudanças na quantidade e qualidade do sono; assim, a maioria dos idosos tem queixas relacionadas ao sono, decorrentes de mudanças fisiológicas específicas do processo de envelhecimento, que podem causar distúrbios relacionados ao sono. Objetiva-se verificar quais os fatores que interferem no sono dos idosos alunos da Universidade da Maturidade (UMA), na cidade de Palmas (TO). Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal, e de natureza quantitativa. Para o levantamento dos dados, utilizaram-se os instrumentos: Questionário de caracterização socioeconômico, seguido da Escala de Sonolência de Epworth (ESE), e do Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (PSQI). Os resultados da ESE revelaram que 75% do grupo masculino e 51,85% do feminino apresentaram sonolência diurna excessiva normal com escores <10. As respostas abertas do PSQI, em relação à hora de deitar, mostram que 43,75% dos homens deitavam entre 23 e 24 horas; no grupo das mulheres, 29,63% deitavam entre 21 e 22 horas; quanto ao tempo para dormir, 68,75% dos homens e 62,96% das mulheres demoravam ≤ 15 minutos; em relação à hora de acordar, 75% dos homens e 37,04% das mulheres acordam entre 6 e 7 horas; em relação a quantas horas de sono dormiu por noite, 50% dos homens dormiram entre 7 e 8 horas por noite, e 51,85% das mulheres dormiram ≥ 8 horas por noite. Já no PSQI global, 56,25% dos homens possuem uma boa qualidade do sono, enquanto 66,67% das mulheres apresentaram má qualidade do sono, apesar de terem uma maior eficiência relacionada ao sono. Os resultados mostraram que os homens tiveram uma boa qualidade do sono e as mulheres tiveram uma má qualidade do sono.

 

Biografia do Autor

Núbia Kênia Carneiro Silva, Instituto de Ensino e Pesquisa Objetivo (IEPO) em Palmas (TO), Brasil.

Enfermeira. Mestrado em Gerontologia. Universidade Católica de Brasília (UCB). Brasília (DF), Brasil. Atua, como docente, no Instituto de Ensino e Pesquisa Objetivo (IEPO) em Palmas (TO), Brasil.

 

Maria Liz Cunha de Oliveira, Universidade Católica de Brasília. (UCB). Brasília (DF), Brasil.

Enfermeira, Doutorado em Ciências da Saúde e Mestrado em Educação, pela Universidade de Brasília. Brasília (DF), Brasil. Professor Adjunto II da Universidade Católica de Brasília. (UCB). Brasília (DF), Brasil.

 

Downloads

Publicado

2015-03-31

Edição

Seção

Artigos