A SEXUALIDADE FEMININA CONTEXTUALIZADA NO FILME “THE WITCH”

João Paulo Zerbinati, Maria Alves de Toledo Bruns

Resumo


“The Witch” é uma produção cinematográfica de estilo suspense e
terror. Lançada no Brasil em 2016, dirigida e roteirizada por Robert
Eggers, traz uma história que se passa na Inglaterra no ano de 1630 e
tem como trama principal o jogo da perversidade entre o poder
demoníaco e a figura da bruxa. Mesmo tendo como enfoque
comercial a produção de terror pode ser analisado enquanto
correspondente histórico e psicossocial, trazendo uma válida
discussão sobre a sexualidade feminina. As Bruxas na idade média
foram expulsas do paraíso pelo cristianismo arcaico por destoarem
dos conceitos patriarcais que pré-determinavam os comportamentos
humanos da época. Hoje, mesmo em tempos de pós-modernidade, a
vivência da sexualidade ainda apresenta ranços do puritanismo em
nível social, causando angústia ao desenvolvimento psicossexual,
oportunizando para a discussão da sexualidade e sua relação entre o
desenvolvimento saudável e psicopatológico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Pimentas: para provocar um incêndio, não é preciso

fogo. 2ª ed. São Paulo: Planeta do Brasil, 2014.

CARDINI, Franco. “Magia e bruxaria na Idade Média e no

Renascimento”, Psicologia USP, n. 1-2, v.7,1996, p.9-16.

COSTA, Jurandir Freire. “Sexo e Amor em Santo Agostinho”. In

LOYOLA, Maria Andréa (org.) A sexualidade nas ciências humanas.

Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II: o uso dos prazeres.

Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber.

Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FREUD, Sigmund. Um caso de Histeria, Três Ensaios sobre a

Sexualidade e outros trabalhos (1901- 1905). Rio de janeiro: Imago,

FREUD, Sigmund. “Sobre a sexualidade feminina (1931)”. In

FREUD, Sigmund. Obras completas, volume 18: O mal-estar na

civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros

textos (1930- 1936). São Paulo: Companhia das letras, 2010.

NETO, João Ângelo Oliva. Falo no Jardim: Priapéia grega, Priapéia

latina. Campinas, SP: Ateliê, UNICAMP, 2006.

ZORDAM, Paola Basso Menna Barreto Gomes. “Bruxas: figuras de

poder”, Revista Estudos Feministas, n.2, v.13, 2005, p. 331-341.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.