Mais-de-olhar: janelas como sintoma da cultura

Autores

  • Julia CARVALHO Resende PUCSP - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Palavras-chave:

pulsão escópica, cultura material, janela, arquitetura, psicanálise

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal traçar um paralelo entre como transformamos e como fomos transformados pelas janelas. Explora os conceitos clínicos abordados pela teoria Freud-Lacaniana e a morfologia das janelas – de elemento arquitetônico fundamental à sua metaforização virtual – como sintoma da cultura. Articula a estrutura da pulsão escópica com a Arquitetura trazendo maior entendimento sobre como a clínica da cultura se articula em sua produção material.

Referências

ARANTES, Otília Beatriz Fiori. Arquitetura Simulada. In: Artepensamento. São Paulo, 1988. Disponível em: https://artepensamento.com.br/item/arquitetura-simulada/. Acesso em: 10 dezembro 2020.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018.

BRANDÃO, Helena Câmara Lacé; MOREIRA, Angela. A varanda como espaço privado e espaço público no ambiente da casa. In: Arquitextos, 102.04 ano 09. São Paulo, nov. 2008. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/09.102/95 .

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013.

DAMATTA, Roberto. A Casa & a Rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DE BURE, Gilles. Architeture Contemporaine, Le Guide. Paris: Flamarion, 2015.

GOMES, Renato Cordeiro. Janelas indiscretas e ruas devassadas: duas matrizes para a representação da cidade. In: Revista Dispositiva, PUC-MG, 2012.

HAN, Buyng-Chul. Sociedade da Transparência. Petrópolis/RJ: Vozes, 2017.

_________. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis/RJ: Vozes, 2018.

INNERARITY, D. A sociedade invisível: Como observar e interpretar as transformações do mundo actual. Lisboa: Teorema, 2009.

JORGE, Luis Antonio. O Desenho da Janela. São Paulo: Annablume, 1995.

MILLER, Daniel. Trecos, Troços e Coisas. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1993.

ECO, Umberto. A Estrutura Ausente. São Paulo: Editora Perspectiva, 1997.

FANTINI, João Angelo. A invenção do espectador e as novas subjetividades: da Renascença ao cinema 3D, dos games ao ciberespaço. Lucia Santaelle; F. Hisgail, (Orgs). In: Semiótica Psicanalítica: Clínica da Cultura. São Paulo: Iluminuras, 2013, p. 131-148.

FREUD, Sigmund. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 7. Rio de Janeiro: Imago, 1980 [1905].

_________. Totem e tabu: algumas concordâncias entre a vida psíquica dos homens primitivos e a dos neuróticos. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013 [1912-1913].

_________. Introdução ao Narcisismo, Ensaios de Metapsicologia e Outros Textos. In: Obras Completas, vol. 12. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. [1914-1916]

FUKS, Betty Bernardo. Duas propostas para a psicanálise contemporânea. In: Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 355-376, dez. 2011. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382011000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 03 nov. 2020.

GHIRARDO, D. Y. Arquitetura contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

KOOLHAAS, Rem. Elements of Architecture. Colony: Taschen, 2014.

LACAN, Jacques. O estádio do espelho como formador da função do eu. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998. [1949]

_________ (1959-60). O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

MANCEBO, Deise. Modernidade e produção de subjetividades: breve percurso histórico. In: Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 22, n. 1, p. 100-111, mar. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932002000100011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 nov. 2020. https://doi.org/10.1590/S1414-98932002000100011.

ORIGEM DA PALAVRA. 2005. Casa. Disponível em: http://origem- dapalavra.com.br/palavras/janela/. Acesso em: 29/12/2020

RESENDE, Julia de Carvalho. Pulsão escópica e linguagem cinematográfica: uma análise a partir de janela indiscreta. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2020, mimeo.

SANTAELLA, Lucia. O real, o simbólico e o imaginário da pulsão. Lucia Santaella e F. Hisgail (Orgs.). Semiótica Psicanalítica: Clínica da Cultura. São Paulo: Iluminuras, 2013.

SANTOS, Ana Renata S.; TENÓRIO, Bárbara C.; MEDEIROS, Helen Maria P.; RIBEIRO, Ana Rita Sá C.; DE OLIVEIRA MELO, Vera Lucia M. Uma janela para a paisagem. In: Arquitetura Revista. São Paulo, jul./dez. 2018, p. 163-173. Disponível em:http://revistas.unisinos.br/index.php/arquitetura/article/view/arq.2018.142.06/60746653. Acesso em: 02 de novembro de 2020.

SCHORSKE, Carl E. Fin-de-Siècle Vienna: Politics and Culture. Nova Iorque: Vintage Books Edition, 1979.

SIMMEL, G. (1999). O Segredo. Revista de Ciências Sociais - Política & Trabalho, 15, 221-226. Disponível em:

<https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/politicaetrabalho/article/view/6442>

QUINET, Antonio. Um olhar a mais: ver e ser visto na psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

RYBCZYNSKI, Witold. Home: a short history of an idea. Nova Iorque: Viking Penguin Inc, 1986.

Venice Biennale 2014: Elements of Architecture. OMA, 2014. Disponível em: < https://oma.eu/projects/elements-of-architecture >. Acesso em: 27 de out. de 2020.

WISNIK, Guilherme. Dentro do Nevoeiro. São Paulo: Ubu, 2018.

FILMOGRAFIA

Janela Indiscreta (Rear Window). Direção: Alfred Hitchcock. Produção de Alfred Hitchcock. Estados Unidos: Paramount Pictures, 1954.

A Questão Do Público E Privado. Publicado Pelo Canal: Casa do Saber. Youtube, 2019. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=sNYH_SGig7A>. Acesso em: 02 novembro 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-15