Autoelogio e imagem de si em Nietzsche

Fabrício Tavares Santos Silva

Resumo


Pensamos aqui o autoelogio em Nietzsche como resgate de um gesto filosófico-ético-estético antigo; algo como uma retomada de valores estéticos para reelaborar modos de existência que busquem superar determinados valores do cristianismo e da modernidade filosófica. Nesse sentido, perguntamos como as distorções do pensamento de Nietzsche lhe foram oportunas para que pudesse construir certas imagens intempestivas sobre si mesmo; e, também, como a retórica autoelogiosa de Nietzsche serviu para que pudesse afirmar seu pensamento diante de maus leitores, ou até mesmo de falsificadores, lançando assim sua filosofia como um dardo para o futuro. 


Palavras-chave


Nietzsche, Autoelogio, Imagem de si.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Santo. Confissões. Tradução por J. Oliveira e A. Ambrósio de Pina. 6ª Edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução por Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2015.

ARTEMIDORO. Sobre a interpretação dos sonhos. Tradução por Elena Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

CHEVALIER, J. [et al.]. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução por Vera da Costa e Silva [et al.]. 15ª Edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

FERRAZ, Maria Cristina Franco. Nietzsche, o bufão dos deuses. São Paulo: n-1 edições, 2017.

FOUCAULT, Michel. “Sonhar com os próprios prazeres. Sobre a ‘onirocrítica’ de Artemidoro”. In: ______. Ética, sexualidade, política. Coleção Ditos & Escritos V. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Mota. Tradução por Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, p. 163-191.

______. Theatrum Philosophicum. In: ______. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Coleção Ditos & Escritos, v. II. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Mota. Tradução por Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015, p. 240-266.

HOLLINGDALE, R. J. Nietzsche: uma biografia. Tradução por Maria Luisa de Abreu Lima Paz. São Paulo: EDIPRO, 2015.

MACHADO, R. Nietzsche e a verdade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

MUÑOZ, Yolanda Gloria Gamboa. Isócrates e Nietzsche: uma relação perigosa? São Paulo: Paulus, 2019.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. Ecce homo: como alguém se torna o que é. Tradução por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. O caso Wagner: um problema para músicos; Nietzsche contra Wagner: dossiê de um psicólogo. Tradução por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

______. A gaia ciência. Tradução por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

______. O nascimento da tragédia: ou helenismo e pessimismo. Tradução por J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SLOTERDIJK, Peter. O quinto “Evangelho” de Nietzsche: é possível melhorar a boa nova? Tradução por Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2004.

VEYNE, Paul. “O indivíduo atingido no coração pelo poder público”. In: VEYNE, Paul; RICOUER, Paul [et al]. Indivíduo e Poder. Tradução por Isabel Dias Braga. Lisboa: Edições 70, 1988, p. 09-23.

WOTLING, Patrick. Vocabulário de Friedrich Nietzsche. Tradução por Claudia Berliner. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-9215.2020v7n1D5

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Preservado em:   

Indexado em: