A ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS NA GESTÃO DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS: UMA ALTERNATIVA DE ESTUDO PARA O CONTEXTO ESCOLAR

Lucas Poubel, Gelson Junquilho

Resumo


Considerando que no campo da Administração ainda são recentes as pesquisas que se preocupam em compreender aquilo que as pessoas realmente fazem nas organizações, este estudo, alinhado ao movimento em direção à prática, tem como objetivo discutir como a ótica de Schatzki sobre a organização das práticas pode auxiliar no estudo das escolas públicas brasileiras, consideradas estas como dinâmicas, complexas e plurais. Foi identificado como a organização das práticas nas escolas públicas é composta por três fenômenos: regras, entendimentos e estrutura teleoafetiva. Em relação ao conjunto de regras, há as diretrizes e princípios que as escolas devem seguir e que ordenam, de certa maneira, as ações dos indivíduos, como o princípio da gestão democrática. No entanto, o cotidiano possibilita que os sujeitos nele envolvidos inventem e reinventem saídas, como no caso de, mesmo sem recursos, professores articularem várias formas de manterem os alunos na escola, ainda que essas ações devessem ser esporádicas quando analisadas sob o ponto de vista legal. Por fim, há ainda, em meio às regras e entendimentos, a maneira como os indivíduos dão diferentes sentidos às escolas por meio das relações entre os vários atores que fazem parte da comunidade escolar, sendo que nessas interações ficam evidentes as diferentes percepções, comportamentos, admirações e valores.


Palavras-chave


Escola Pública; Gestão Escolar; Schatzki; Prática Social

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: