PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÃO NA (RE)ORGANIZAÇÃO DA CIDADE: Etnografando a Procissão do Fogaréu na cidade de Goiás, Goiás

Josiane Silva de Oliveira, Euna Mendes, Bárbara Franco Lopes

Resumo


O objetivo desta pesquisa é compreender como as práticas organizativas da Procissão do Fogaréu influenciam a organização da cidade de Goiás, Goiás. Para tanto, nos reportamos as discussões de Certeau (2008) sobre os conceitos de práticas e cidades para debatermos como a organização de um evento de caráter temporário, uma procissão, influencia os modos de produção, utilização e o habitar nas urbes de forma permanente. A estratégia metodológica a ser utilizada foi a etnografia, sendo desenvolvida por meio de observações participantes na localidade em estudo, assim como entrevistas com os sujeitos que participam desse processo. Como contribuição aos Estudos Organizacionais, pretendemos discutir os efeitos das relações entre as práticas organizativas e as cidades na produção do cotidiano da sociedade considerando que o caráter estético, o caráter ético e o caráter polêmico das práticas de organização são articulados pela capitalização do tempo nos processos organizativos.


Palavras-chave


Práticas organizativas. Cidades. Etnografia. Goiás. Procissão do Fogaréu.

Texto completo:

PDF

Referências


CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.

______. Teoria e método no estudo das práticas cotidianas. In: SZMRECSANYI, M. I. (Org.). Cotidiano, cultura popular e planejamento urbano. São Paulo: FAU/USP, 1985. p. 3–17

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica, Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

COURPASSON, D. The Politics of Everyday. Organization Studies, v. 38, n. 6, p. 843–859, 2017.

COURPASSON, D.; DANY, F.; DELBRIDGE, R. Politics of place: The meaningfulness of resisting places. Human Relations, v. 70, n. 2, p. 237–259, 2017.

DELGADO, A. F. Goiás: a invenção da cidade “Patrimônio da Humanidade”. Horizontes Antropológicos, v. 11, n. 23, 2005.

DEWALT, K. M.; DEWALT, B. R. Participant observation: a guide for fieldworkers. Toronto: Altamira Press, 2011.

FELDMAN, M. S.; ORLIKOWSKI, W. J. Theorizing practice and practicing theory. Organization Science, v. 22, n. 5, p. 1240–1253, 2011.

FONTANA, A; FREY, J.H. Interviewing: the art of science. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org). Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 1994, p. 546-670.

HARDING, N. On the manager’s body as an aesthetics of control. Tamara: journal of critical postmodern organization sicense, v. 2, n. 1, p. 63–76, 2002.

HODDER, I. The interpretation of documents and material culture. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 2005. p. 393-402.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBEG]. Cidades. Brasília: IBGE, 2010. Acessado em 10 de agosto de 2014.

ORTMANN, G.; SYDOW, J. Dancing in chains: Creative practices in/of organizations. Organization Studies, v. 39, n. 7, p. 899–921, 2018.

SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 2, p. 547-57, 2012.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i1p45-67

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: