Contribuições das teorias das relações econômicas internacionais e dos jogos à discussão da integração regional no Mercosul

Frederico Jayme Katz

Resumo


O ponto de partida deste trabalho foi a observação de que, enquanto a estrutura de correlação de forças, no sentido econômico, entre os países da União Européia é multipolar e do NAFTA é unipolar, a do Mercosul é bipolar, fato este agravado pela circunstância de que a saída do Brasil, ou da Argentina, do grupo, esvaziaria a razão de ser da constituição do bloco. Estas diferentes características poderiam ser parte da explicação do sucesso dos primeiros, e das nossas dificuldades. Para analisar esta questão, mais rigorosamente, buscamos ajuda na Teoria dos Jogos (TJ), em sua faceta mais conceitual e qualitativa, e na literatura sobre o Mercosul. A conclusão foi que a TJ pode de fato oferecer um modelo para apoiar esta análise, o ‘Jogo Simples’, onde Brasil e Argentina são ‘veto players’. Porém, a discussão da questão torna-se mais frutífera introduzindo recursos das áreas de desenvolvimento econômico e de integração regional. Fizemos uma revisão crítica de parte pertinente da literatura recente dessas áreas, incorporando contribuições à nossa visão sobre os temas. A partir daí, formulamos sugestões que oferecemos para o debate no sentido de tentar contribuir para melhorar as possibilidades de consolidação de bloco regional na América do Sul.

Palavras-chave


Mercosul; integração regional; Teoria dos Jogos

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: