O racismo da ciência através da manipulação genética – o retorno da Eugenia Darwiniana

Antonio Baptista Gonçalves

Resumo


A ciência com o auxílio da tecnologia evolui em uma velocidade que possibilita aos necessitados alimentar a chama da esperança de curar suas chagas, do retorno ao caminhar para os cadeirantes, da cura de doenças neurológicas etc. No entanto, é preciso separar o anseio da ciência em melhorar e aprimorar a espécie do desejo do cientista de extirpar os defeitos da sociedade, pois, aí teremos exemplos, da própria ciência inclusive, do retorno da eugenia, aplicada por Charles Darwin e tão difundida por Francis Galton. O retorno do racismo e da eugenia através da manipulação genética e do “aprimoramento” da espécie, mas a que preço? A resposta pode vir através da conta que Adolf Hitler apresentou à humanidade ou através da possibilidade concreta de criminalidade genética ante a fragilidade normativa do direito sobre o tema.


Palavras-chave


manipulação genética; eugenia; darwinismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCON, Pietro Jesús Lora. Patrimônio Genético Humano e sua proteção na Constituição Federal de 1988. São Paulo: Método, 2004.

ARCHER, Luís. O progresso da genética e o espírito eugênico. Cadernos de Bio-Ética, Coimbra, n. 10, p. 73-81, 1995.

BLACK, Edwin. A guerra contra os fracos. Editora: A Girafa, 2003.

_____________. Eugenics and the Nazis - the California connection. Disponível em [http://www.waragainsttheweak.com/offSiteArchive/www.sfgate.com/index.html]. Acesso em 25 de junho de 2012.

_____________. Hitler made eugenics famous, but he took it from United States. Disponível em [http://www.waragainsttheweak.com/images/articles/JTANews.gif]. Acesso em 25 de junho de 2012.

_____________. We Must Keep Eugenics Away From Genetics. Disponível em: [http://www.waragainsttheweak.com/offSiteArchive/www.newsday.com/index.htm]. Acesso em 25 de junho de 2012.

BRASIL. Lei n°.8.974, de 5 de janeiro de 1995. Normas para o uso das técnicas de engenharia genética e liberação no meio ambiente de organismos geneticamente modificados. Diário Oficial da União, Brasília, v. 403, n. 5, p. 337-9, 06 jan. 1995. Seção 1.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 11.105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1° do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB, revoga a Lei n° 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória n° 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os arts. 5°, 6°, 7°, 8°, 9°, 10 e 16 da Lei n° 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 de março 2005.

CASTAÑEDA, Luzia Aurélia. Apontamentos historiográficos sobre a fundamentação biológica da eugenia. Porto Alegre: Revista Episteme, v. 3, n°. 5, p. 23-48, 1998.

CONTI, Matilde Carone Slaibi. Biodireito A norma da vida. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

CORRÊA, Marilena V. O Admirável Projeto Genoma Humano. PHYSIS: Revista Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 12(2): 277-299, 2002.

COSTA, Francisco Henrique da. As razões da bioética e a dignidade humana. IN ALMEIDA, Danilo Di Manno de (org.). Corpo em ética perspectivas de uma educação cidadã. São Bernardo do Campo: UMESP, 2002.

DIWAN, Pietra. Raça Pura: uma história da eugenia no Brasil e no Mundo. São Paulo: Contexto, 2007.

DRANE, James e PESSINI, Leo. Bioética, medicina e tecnologia Desafios éticos na fronteira do conhecimento humano. Trad. Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

EVANGELISTA, Rafael. Resenha sobre o livro A guerra contra os fracos. Disponível em:

http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&tipo=resenha&edição=8. Acesso em 25 de junho de 2012.

FACHIN, Luiz Edson. Discriminação por motivos genéticos. IN SÁ, Maria de Fátima Freire de e NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Bioética, Biodireito e o novo Código Civil de 2002. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

GONÇALVES, Antonio Baptista. Manipulação genética de células-tronco: aspectos éticos, constitucionais e penais. Revista dos Tribunais (São Paulo. Impresso), v. 878, p. 29-41, 2008.

___________________________. Temas atuais de Direito Penal. São Paulo: Quartier latin, 2006.

GUERRA, Andréa. Do holocausto nazista à nova eugenia no século XXI. Revista Ciência e Cultura, vol.58 n°.1 São Paulo Jan./Mar., 2006.

GUILAM, Cristina. O Diagnóstico Pré-Natal e o Aconselhamento Genético: algumas questões. IN DINIZ, Debora (org.). Admirável Nova Genética: Bioética e sociedade. Brasília: LetrasLivres: Editora UnB, 2005.

HOLLAND, Stephen. Bioética enfoque filosófico. Trad. Luciana Pudenzi. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

KUHSE, Helga and SINGER, Peter. Bioetics An Anthology. Second Edition. Blackwell Publishing, 2006.

MARTÍNEZ, Stella Maris. Manipulação Genética e Direito Penal. São Paulo: Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, vol. 6, 1998.

MÖLLER, Letícia Ludwig. Esperança e Responsabilidade: Os Rumos da Bioética e do Direito diante do Progresso da Ciência. IN MARTINS-COSTA, Judith e MÖELLER, Letícia Ludwig (orgs.). Bioética e responsabilidade. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

MOYSÉS, Maria Aparecida Affonso e COLLARES, Cecília Azevedo Lima. Inteligência abstraída, crianças silenciadas: as avaliações de inteligência. Revista de Psicologia da Universidade de São Paulo, vol. 8, n°. 1, 1997.

PEDROSA, Paulo Sérgio R. - "Eugenia: o pesadelo genético do Século XX. Parte I: o início”. MONTFORT Associação Cultural. Disponível em: www.montfort.org.br/ index.php?secao= veritas&subsecao= ciencia&artigo=eugenia1〈=bra.Acesso em 10 de janeiro de 2006.

_______________________- "Eugenia: o pesadelo genético do século XX. Parte II: a cultura da morte". MONTFORT Associação Cultural. Disponível:

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=ciencia&artigo=eugenia2〈=bra. Acesso em 10 de janeiro de 2006.

________________________- "Eugenia: o pesadelo genético do século XX. Parte III: a ciência nazista”. MONTFORT Associação Cultural. Disponível:

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=ciencia&artigo=eugenia_ciencia_nazista〈=bra. Acesso em 10 de janeiro de 2006.

PENA, Sérgio Danilo J. e AZEVÊDO, Eliane S. O Projeto Genoma Humano e a Medicina Preditiva: Avanços Técnicos e Dilemas Éticos. IN COSTA, Sergio Ibiapina Ferreira; OSELKA, Gabriel; GARRAFA, Volnei (coord.). Iniciação à bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1998.

REVISTA SUPERINTERESSANTE, n. 215, julho de 2005.

SCHRAMM, Fermin Roland. Eugenia, Eugenética e o Espectro do Eugenismo: Considerações Atuais sobre Biotecnociencia e Bioética. Revista Bioética, vol. 5, n° 2, 1997

SOUZA, Paulo Vinicius Sporleder de. A criminalidade genética. São Paulo: Revista

dos Tribunais, 2001.

SOUZA, Sidney de Oliveira. Projeto Genoma: A Busca Incansável pela Eugenia, Revista Urutágua. Maringá: vol. 8, 2006.

UNESCO, International Bioethics Committee. Declaration on the protection of the human genome. 1995, mar. 7, sep.30.

VIEIRA, Carolina Fontes. O enquadramento histórico conceitual da eugenia: do eugenismo clássico ao liberal. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais. Curitiba, n° 17, 2012.

WATSON, James D. DNA O segredo da vida. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

ZAGO, Marco Antonio & COVAS, Dimas Tadeu (coord.). Células-tronco a nova fronteira da medicina. Editora Atheneu, 2006.

ZATZ, Mayana. Projeto Genoma Humano e Ética. Revista São Paulo em Perspectiva, vol.14, n°. 3. São Paulo Jul/Set. 2000.