Gestão e conservação de rios urbanos utilizando vegetação riparia tendo em vista sua inserção em projetos de engenharia de requalificação de rios urbanas: um caso de estudo na Ribeira da Lage Oeiras – Portugal

Terencio Aguiar Junior

Resumo


As numerosas funções físicas, biológicas e ecológicas atribuídas às galerias ribeirinhas salientam o papel fundamental que desempenham no ecossistema fluvial. O conhecimento da sua estrutura e composição em situação de referência e a caracterização da situação atual, é uma vertente da avaliação do estado de conservação de um sistema fluvial. Este conhecimento permite o desenvolvimento fundamentado de ações de conservação e requalificação no espaço ribeirinho. Esse trabalho tem como objetivo desenvolver um plano de avaliação da qualidade biótica da vegetação ripária, tendo em vista sua inserção em projetos de engenharia de requalificação de rios urbanos. Concluímos que a utilização dos serviços prestados pela vegetação riparia é de suma importância para o ecossistema fluvial e sua incorporação em projetos de engenharia de restauro de rios urbanos e de elevada importância para manutenção desse ecossistema.

Palavras-chave: restauro fluvial; vegetação riparia; engenharia urbana; rios.

Palavras-chave


restauro fluvial; vegetação riparia; engenharia urbana; rios

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, T.R.J.: Distribuição potencial do Alytes cisternasii em Portugal continental: modelo conceitual da estrutura de informação geográfica. Oecologia Australis, v. 14, p. 808-817, 2010.

BRANCO, S.M.; ROCHA, A.A. Poluição, proteção e usos múltiplos de represas. São Paulo: Edgard Blücher, CETESB, 1977. 185p.

CORBETT, E.S.; SPENCER, W. Effects of management practices on water quality and quantity: Baltimore, Maryland, Municipal Watersheds. In: Municipal watershed management symposium, 1973. Proceedings. USDA Forest Service, General Technical Report NE-13, p.25-31, 1975.

CUMMINS K., MINSHALL G.W., SEDELL J.R., CUSHING C.E., PETERSEN, R.C. 1984. Stream ecosystem theory. Verh. Int. Verein. Limnol. 22: 1818-1827.

GONZÁLEZ DEL TÁNAGO, M. & D. GARCÍA DE JALÓN 2008 Restauración de Ríos. Guía Metodológica para la elaboración de Proyectos. Ministerio de Medio Ambiente. Madrid. 318 pgs.

GREGORY S.V., SWANSON W.A., MCKEE W.A., CUMMINS K.W. 1991. An ecosystem perspective of riparian zones. BioScience. 41(8):540-551.

HANCOCK C.N., FROEND R.H., 1996. Biodiversity and management of riparian vegetation in Western Australia. For. Ecol. Manag. 85: 239-250 in Ferreira M.T., AGUIA F.C., NOGUEIRA C. 2005. Changes in riparian woods over space and time: Influence os environment and land use. Forest Ecology and Management. 212: 145-159.

MUNNÉ, A.; SOLÀ, C.; PRAT. N. (1998). QBR: Un índice rápido para la evaluación de la calidad de los ecosistemas de ribera. Tecnologia del Agua , 175: 20-37.

MUNNÉ, A; PRAT. N; SOLÀ, C.; BONADA, N.; RIERADEVALL, M. (2003). A simple field method for assessing the ecological quality of riparian habitat in rivers and streams: QBR index. Aquatic Conserv: Mar. Freshw. Ecosyst. 13: 147-163.

NUGENT, M.; KAMRIM, M. A.; WOLFSON, L.; D’ITRI, F. M. Nitrate: a drinking water concern Michigam State University Extension Service, Extension bulletin WQ-19. Disponível em: < http://www.gem.msu.edu/pubs/msue>. Acesso em: 18 jun. 2001.

ROTH N.E., ALLAN J.D., ERIKSON D.L. 1996. Landscape influences on stream biotic integrity assessed at multiple spatial scales. Landscape Ecology. 11 (3), 141-156. in Ferreira M.T., Aguia F.C., Nogueira C. 2005. Changes in riparian woods over space and time: Influence os environment and land use. Forest Ecology and Management. 212: 145-159.

SUGIMOTO, S.; NAKAMURA, F.; ITO, A. Heat budget and statistical analysis of the relationship between stream temperature and riparian forest in the Toikanbetsu river basin, Northern Japan. Journal of forest research, v.2, n.2, p.103-107, 1997.

SWIFT JR, L.W.; MESSER, J.B. Forest cuttings raise temperatures of small streams in the Southern Appalachians. Journal of soil and water conservation, v.26, n.3, p. 111-117, 1971.