Ocorrência inédita da Lontra longicaudis (Olfers 1818) no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil

Izabela Costa Laurentino, Rafael Turibio Moraes Sousa

Resumo


A Lontra longicaudis, conhecida popularmente também como lontra neotropical, possui uma ampla distribuição espacial no continente americano ocorrendo desde o México até a Argentina. Pode ser encontrada em uma grande variedade de habitats: florestas, matas ciliares, rios e regiões litorâneas associadas a lagoas costeiras. No Rio Grande do Norte ocorre desde ambientes costeiros até áreas de planalto. Atualmente estes animais são considerados como espécie ameaçada de extinção em alguns estados do Brasil, e na categoria vulnerável está em quase todo o Brasil. Este trabalho registrou áreas de ocorrência de L. longicaudis em diversos pontos dos municípios do Rio Grande do Norte. Os registros foram obtidos por meio do método indireto, com observação visual, registro fotográfico, vestígios (amostras fecais, carcaças e pegadas). Alguns moradores locais apontaram a presença da espécie em algumas localidades, e outros relatam a presença destes animais. Estudos sobre a distribuição espacial da L. longicaudis no Rio Grande do Norte são fundamentais para aumentar os conhecimentos sobre a biologia e contribuir para a conservação da espécie, tendo em vista que esta pesquisa é pioneira no Estado.

Palavras-chave: lontra longicaudis; ocorrência; Rio Grande do Norte; lontra neotropical; registros; levantamento.

Palavras-chave


lontra longicaudis; ocorrência; Rio Grande do Norte; lontra neotropical; registros; levantamento

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU Jr, E. F. & KÖHLER, A. 2009. Mastofauna de médio e grande porte na RPPN da UNISC, RS, Brasil. Biota Neotropica 9 (4): 169-174.

BASSI, C. O efeito da fragmentação sobre a comunidade de mamíferos nas matas do Planalto Ocidental, São Paulo, Brasil. 2003. 89 p. (Tese de Mestrado) – Instituto de Biociências, Departamento de Ecologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BECKER, M.; DALPONTE, J.C. 1991. Rastros de mamíferos silvestres brasileiros: um guia de campo. Editora Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. 180 p.

BLASCHER, C. 1987. Ocorrência e preservação de Lutra longicaudis (Mammalia: Mustelidae) no litoral de Santa Catarina. Boletim da Fundação Brasileira para Conservação da Natureza, Rio de Janeiro, 22: 105-117.

CARVALHO, J. O. 1990. Aspectos da AutoEcologia de Lutra longicaudis (Olfers, 1818), no Ecossistema da Lagoa do Piri, SC-Brasil. Santa Catarina. Tese: Especialização em Hidroecologia – Departamento de Biologia, Universidade Federal de Santa Catarina.

CARVALHO, J. O.; BARBOSA, C.; TOSATTI, M. 2005. Caracterização da Dieta Alimentar da Lontra longicaudis em um Ambiente Marinho, Praia de Naufragos, Ilha de Santa Catarina, SC-Brasil. In: IV Congresso Integrado de Iniciação Científica, UNIDAVI.

CHANIN, P. 1985. The Natural History of Otters. London; Christopher Helm.

CHEIDA, CC; NAKANO-OLIVEIRA, E.; FUSCO-COSTA, R.; ROCHA-MENDES, F.; QUADROS, J. Ordem Carnivora. In: REIS, NR dos; PERACCHI, AL.; PEDRO, WA.; LIMA, IP. de. Mamíferos do Brasil. Londrina: edição do autor, 2ª ed., 235-288pp (2011).

CHEIDA, C. C.; NAKANO-OLIVEIRA, E.; FUSCO-COSTA, R.; ROCHA- EISEMBERG, J. F. & K. H. REDFORD, 1999. Mammals of the neotropics: The central neotropics. Chicago, The University of Chicago Press, 609 p.

CHEHEBAR, C.E. 1990. Action Plan fro Latin American Otters. In FOSTER-TURLEY,P., MACDONALD, S. & MASON, C. (Ed). Otters: And Action Plan for their Conservation. IUCN Otter Specialist Group. 64-73.

CROOKS, K.R. 2002. Relative sensitivities of mammalian carnivores to habitat fragmentation. Conservation Biology, 16 (2): 488-502.

CROOKS, K.R.; SOULÉ, M.E. 1999. Mesopredator release and avifaunal extinctions in a fragmented system. Nature, 400 (6744): 563-566.

CULLEN Jr, L.; BODMER, R. E.; PADUA, C. V. 2000. Effects of hunting in habitat fragments of the Atlantic forests, Brazil. Biological Conservation 95: 49-56.

DIETRICH, J. R. 1995. El uso de entrevistas para averiguar la distribución de vertebrados. Revista de Ecologia Latino-americana 2 (1): 01-04.

EISENBERG, F.J.1989. An Introduction to the Carnivora. In GITTLEMAN, J.L. (Ed). Carnivore Behavior, Ecology and Evolution. Cornell University Press. USA. 1-9.

EMMONS, L. H.; FEER, F. 1997. Neotropical rainforest mammals: a field guide. 2.ed., Chicago, The University of Chicago Press, 307 p.

FONSECA, G. A. B.; HERMAN, G.; Leite, Y. L. R.; MITTERMEIER, R. A.; RYLANDS, A. B.; PATTON, J. L. 1996. Lista anotada dos mamíferos do Brasil. Occasional Papers in Conservation Biology (4): 1-38.

GASPAR, D.A. Comunidade de mamíferos não-voadores de um fragmento de Floresta Atlântica semidecídua do município de Campinas/S.P. 2005. 161 p. (Tese de Doutorado) - Departamento de Zoologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

IUCN. 2008. WALDEMARIN, H. F.; ALVARES, R. 2008. Lontra longicaudis. 2008 IUCN Red Listo f Threatened Species. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2013.

IUCN – The IUCN Red List of Threatened Species 2011. Disponível em: Acesso em: 03 maio 2013.

IDEMA, 2000. Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte. Aspectos Físicos do Rio Grande do Norte. Disponível em: . Acesso em: 02 fevereiro 2013.

SOS Mata Atlântica. Instituto de Pesquisas Espaciais e Fundação SOS Mata Atlântica. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: Período 2005-2008. Disponível em: < http://www.sosmatatlantica.org.br/index.php?section=atlas&action=atlas>. Acessado em: 05 maio 2013.

IBGE, 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 02 fevereiro 2013.

KASPER, K. B.; FELDENS, M. J.; SALVI, J.; GRILLO, H. C. J. 2004. Estudo Preliminar sobre a ecologia de Lontra longicaudis no Vale do Taquari, Sul do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 21 (1):65-72.

KRUUK, H. 1995. Wild Otters: Predation and Populations. Oxford: Oxford University Press.

LARIVIÈRE, S. 1999. Lontra longicaudis. Mammalian Species, 609:1-5.

MASON, C. F.; MACDONALD, S. M. 1986. Otters: ecology and conservation. Cambridge: Cambridge University Press.

MACDONALD, S. M. & MASON, C. F. 1985. Otters, their habitat and conservation in Northeast Greece. Biological Conservation, 31:191-210p.

MACDONALD, S. M. & MASON, C. 1990. Threats In: FOSTER-TURLEY,P., MACDONALD, S. & MASON, C. (Ed). Otters: And Action Plan for their Conservation. IUCN Otter Specialist Group. 126p.

PARDINI, R. 1998. Feeding ecology of the neotropical river otter Lontra longicaudis in an Atlantic Forest stream, south-eastern Brazil. J. Zool. (Lond.), 245:385-391.

PARDINI, R. 1998. Feeding ecology of the neotropical river otter Lontra longicaudis in an Atlantic Forest stream, southeastern Brazil. Journal of Mammology, 80(2): 600-610.

QUADROS, J & MONTEIRO-FILHO, E.L.A. 2001. Diet of the Neotropical Otter, Lontra longicaudis, in an Atlantic Forest Area, Santa Catarina State, Southern Brazil. Studies on Neotropical Fauna and Environment, 36(1):15-21.

QUADROS, J. & MONTEIRO-FILHO, E.L.A. 2000. Fruit occurrence in the diet of the neotropical otter, Lontra longicaudis, in southern brazilian atlantic forest and its implication for seed dispersion. Mastozoología Neotropical 7(1):33-36.

QUINTELA, FM.; PORCIUNCULA, RA.; COLARES, EP. 2008. Dieta de Lontra longicaudis (Olfers) (Carnivora, Mustelidae) em um arroio costeiro da região sul do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Neotropical Biology and Conservation 3(3):119-125.

PARDINI, R. Feeding ecology of the neotropical river otter Lontra longicaudis in an Atlantic Forest stream, south-eastern Brazil. J. Zool. Lond. 1998. 245: 385-391 p.

PARDINI, R.; DITT, E.H.; CULLEN Jr, L.; BASSI, C.; RUDRAN, R. Levantamento rápido de mamíferos terrestres de médio e grande porte. p 181-201. In: CULLEN Jr., L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PÁDUA, C. Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: Ed. da Universidade Federal do Paraná, 2003. 667 p.

QUADROS, J. Aspecto da ecologia de Lontra longicaudis (Olfers,1888) em uma área de Floresta Atlântica de Planície, Município de Itapoá – SC. UFPR, 1998. 71 p. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Paraná.

RICKLEFS, R.E. 2003. Economia da Natureza. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 503 p.

ROUGHTON, R.D.; SWEENY, M.W. 1982. Refinements in scent-station methodology for assessing trendes in carnivore populations. Journal Wildlife Management, 46(1): 217- 229.

SARGEANT, G.A.; JOHNSON, D.H.; BERG, W.E. 1998. Interpreting carnivore scentstation surveys. Journal Wildlife Management, 62 (4): 1235-1245.

SCOSS, L. M.; Marco, P.; Silva, E.; Martins, S. V. 2004. Uso de parcelas de areia para o monitoramento de impacto de estradas sobre a riqueza de espécies de mamíferos. Revista Árvore 28 (1): p. 121-127.

TABARELLI, M.; Pinto, L. P.; Silva, J. M. C.; Hirota, M. M.; Bedê, L. C. 2005. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade 1 (1): 133-138

VIDAL, O. (1993). Aquatic mammal conservation in Latin America: Problemas and perspectives. Conservayion Biology, 7(4):788-795.