Urinálise: a importância da sedimentoscopia em exames físico-químicos normais

Lorraine Herdy Heggendornn, Nayara de Almeida Silva, Glauber Azevedo da Cunha

Resumo


A urina é um importante objeto de estudo. Permite avaliar a função renal e fornece indícios sobre a etiologia da disfunção. O exame de urina completo inclui exames físico, químico e microscópico. Considerando a divergência entre a prática do exame de urina abordada na literatura estrangeira perante a realidade vivenciada no Brasil, o presente trabalho teve como objetivo principal avaliar a importância da realização da análise microscópica do sedimento urinário frente aos valores normais obtidos nos exames físico-químicos de triagem. O estudo foi constituído a partir do levantamento epidemiológico dos resultados de 317 exames de urina de rotina, encaminhadas ao laboratório a pedido médico. Foi observado que 247 amostras (77, 92%) não apresentaram alterações físico-químicas. Destas, 16,58% apresentavam algum indicativo de anormalidade no exame microscópico. Ao analisar cada elemento separadamente constatou-se que nenhum apresentou positividade superior a 9,31%. A presença de piócitos foi a anormalidade que apresentou maior índice (56,10%). O valor preditivo negativo foi de 83%. Os riscos quanto à qualidade do exame e a saúde do paciente devem ser levados em consideração ao se optar de maneira seletiva pelo emprego ou não da sedimentoscopia. Portanto, deve-se respeitar a procedência do exame assim como a exigência manifesta do clínico.

Palavras-chave: urinálise; sedimentoscopia; exames físico-químicos.

Palavras-chave


chave: urinálise; sedimentoscopia; exames físico-químicos

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15268: Laboratório clínico – Requisitos e recomendações para o exame de urina. ABNT, 1ª ed, 2005. 9 p.

BEN-EZRA, J.; BORK, L.; MACPHERSON, R. A. Evaluation of the Sysmex UF-100 automated urinalysis analyzer. Clinical Chemistry, v. 44, p. 92–95, 1998. Disponível em: . Acesso em: 15 de mai. de 2014.

BOLODEOKU, J.; DONALDSON, D. Urinalysis in clinical diagnosis. Journal of Clinical Pathology, v. 49, n. 8, p. 623-6, 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 de mai. de 2014.

BOTTINI P. V.; GARLIPP C. R.; Urinálise: comparação entre microscopia óptica e citometria de fluxo. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 42, n. 3, p. 157-162, 2006. Disponível em: . Acesso em 20 de mai. de 2014.

CHRISTENSON R. H.; TUCKER J. A.; ALLEN E. Results of Dipstick Tests, Visual Inspection, Microscopic Examination of Urine Sediment, and Microbiological Cultures of Urine Compared for Simplifying Urinalysis. Clinical Chemistry, v 31, n. 3, p. 448-450, 1985. Disponível em: < http://www.clinchem.org/content/31/3/448.full.pdf>. Acesso em 5 de jun. de 2014.

COLOMBELI, A. S. S.; FALKENBERG, M. Comparação de bulas de duas marcas de tiras reagentes utilizadas no exame químico de urina. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 42, n. 2, p. 85-93, 2006. Disponível em: . Acesso em 2 jun de 2014.

COSTAVAL, J. A.; MASSOTE, A. P.; CERQUEIRA, C. M. M.; COSTAVAL A. P.; AULER A.; MARTINS G.J. Qual o valor da sedimentoscopia em urinas com características físico-químicas normais? Jornal Brasileiro de Patologia, Rio de Janeiro, v. 37, n. 4, p. 261-265, 2001. Disponível em: . Acesso em 20 de mai. de 2014.

DA MOTA, C. L.; BEÇA, H. P. Análise sumária de urina de rotina: por que e para quê? Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, v. 29, p. 244-8, 2013. Disponível em: . Acesso em 10 de jun. de 2014.

EUROPEAN CONFEDERATION OF LABORATORY MEDICINE. European Urinalysis Guidelines. Scandinavian Journal of Clinical and Laboratory Investigation, 60 ed, 96 p., 2000. Disponível em: . Acesso em 4 de jun. de 2014.

GRAFF L. A hanbook of routine urianalysis. Philadelphia: Lippincott; 1983.

HAMOUDI, A.S.; BUBIS, S .C.; THOMPSON, C. Can the cost of eliminating urine microscopy in biochemically negative urines be extended to the pediatric population? American Journal of Clinical Pathology, v 86, n 5, p. 658-80, 1986.

JEFF, A.; SIMERVILLE, W. C; MAXTED, J.; PAHIRA, J. Urinalysis: A Comprehensive Review. American Family Physician, 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 de mai. de 2014.

KIEL, D.P.; MOSKOWITZ, M. A. The urinalysis: A critical appraisal. Medical Clinics of North America, v 71, n 4, p. 607-624, 1987.

LAREDO, M. E. ; ALVAREZ, C. A. N.; CABIDES J. Analisis de sedimento urinário, Elsevier España, Reumatol Clin; v 6, n 5, p. 268–272, 2010. Disponível em: . Acesso em 25 de mai. de 2014.

LIMA, O. A.; SOARES J. B.; GRECO J. B.; GALIZZI J.; CANÇADO J. M. Métodos de laboratório aplicados à clínica: Técnica e interpretação. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

OHLY, N.; HOUSE, S. Accuracy of negative dipstick urine analysis in ruling out urinary tract infection in adults, Clinical Research, Emergency Medicine Journal, v 20, p. 362–372, 2003. Disponível em: . Acesso em 01 de jun.de 2014.

PATEL, H. D; LIVSEY, S. A.; SWANN, R. A.; BUKHARI S. S. Can urine dipstick testing for urinary tract infection at point of care reduce laboratory workload? Journal of Clinical Pathology, v 58, p. 951–954, 2005. Disponível em: . Acesso em 2 de jun. de 2014.

PINO, J. R., BARRÓN-PASTOR, H. J. Uroanálisis en pacientes pediátricos de tres hospitales de Lima, 2011. Anais..., v.73 n.3, p. 227-31, 2012. Disponível em: . Acesso em de 8 jun. de 2014.

RAVEL, R. Laboratório clínico. Aplicações clínicas dos dados laboratoriais. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.

RIBEIRO, H. A.; JESUS, K. N.; JACOMINI, M. K. R. Achados do sedimento urinário de 1993 a 2009. V Seminário de Pesquisas e TCC da FUG, 2013. Disponível em: . Acesso em de 12 jun. de 2014.

RODRIGUES, O. M. Importância Da Sedimentoscopia Na Análise De Urinas De Cães (Canis Familiares) Com Aspectos Físico-Químicos Normais. Monografia apresentada a Escola Superior Batista do Amazonas, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Medicina Veterinária, 2011. Disponível em: . Acesso em 10 de jun. de 2014.

SHAW, S.T.; POON, S.Y; WONG E.D. Routine urinalysis: is the dipstick enough? Journal Of The American Medical Association, v 253, p. 1596-600, 1985.

STRASINGER, S.K. Uroanálise e Fluidos Biológicos, 3. ed, Editoria Premier, São Paulo, 2000.

STRASINGER, S. K. Uroanálise e Fluidos Biológicos. 3. ed., Editora Premier, São Paulo, 1996.

TREITINGER, A. et al. Avaliação de tiras reagentes utilizadas na análise de urina para os parâmetros proteínas, glicose e hemácias. Laes & Haes, v. 114, p. 154-68, 1999.

WINKEL, P.; STATLAND, B.E.; JORGENSEN, K. Urine microscopy, an ill defined method, examined by a multifactorial technique. Clinical Chemistry, v. 20, p. 436-9, 1974.

WORRALL, J.C. Emergency department visual urinalysis versus laboratory urinalysis. Canadian Journal Of Emergency Medicine, v 11, n 6, p. 540-3. Disponível em: . Acesso em de 4 jun de 2014.