Influência da área de murundus e abundância de artrópodes na distribuição e diversidade de anfíbios no Pantanal de Poconé, Estado de Mato Grosso, Brasil

Nelson Antunes de Moura

Resumo


Campos de Murundus são áreas formadas geralmente por atividades de cupins ou por processos de erosões e sedimentações. O objetivo deste trabalho foi verificar a influência do tamanho da área do murundu e abundância de artrópodes na distribuição espacial e diversidade de anuros em uma área no Pantanal de Poconé-MT. Foram estudados 15 murundus em uma parcela de 50m²x50m² na Fazenda São Benedito, uma área pantaneira antropizada com vegetação natural foi substituída por pastagens. Os anuros foram coletados pelo método de procura ativa, realizada entre 19:30h às 22:00h em 17 noites consecutivas entre os dias 27 de janeiro a 12 de fevereiro de 2010. Foram encontrados 1512 indivíduos de 14 espécies das famílias Hylidae, Leptodactylidae, Leiuperidae, Bufonidae e Microhylidae.  As espécies encontradas foram Elachistocleis sp. (360), Leptodactylus podicipinus (348), Leptodactylus chaquensis (253), Scinax fuscomarginatus (218), Dendropsophus nanus (130), Pseudopaludicola sp. (89), Hypsiboas raniceps (59), Leptodactylus fuscus (32), Dendropsophus elianeae (16), Rhinela granulosa (2), Rhinela sp. (2), Phyllomedusa azurea (1) e Physalaemus sp. (1) e Hylidae não identificada a nível específico (01). Entre os 15 murundus estudados, a maior riqueza (10 espécies) foram os murundus de área 48,2m² e 9,8m². As diferenças da riqueza entre eles foram pequenas, a abundância maior foi encontrada no murundu com área de 26,1m², contendo 249 indivíduos, sendo uma das maiores áreas e um dos mais próximos de corpo de águas permanentes, fato este que favoreceram a reprodução de anuros e que possuía maior disponibilidade de alimentos (artrópodes).


Palavras-chave


Pantanal; Murundu; Anfíbios

Texto completo:

PDF

Referências


ADÁMOLI, J. A. O Pantanal e suas relações fitogeográficas com cerrados. Discussão sobre o conceito “Complexo do Pantanal”. In: Anais do XXXII Congresso Nacional de Botânica, 1982.

ANGULO A. Anfíbios y paradojas: perspectivas sobre la diversidad y las poblaciones de anfíbios. Ecologia Aplicada, (1), p. 105 – 109 2002.

BÉRNELIS,R.S., Sociedade Brasileira de Herpatologia, acessada www.sbherpetologia.org.br no dia 13 de julho de 2010 às 15;47.

CUNHA, C. N. Estudo florístico e fitofisionômico das principais formações arbóreas do Pantanal de Poconé – MT. 1990. Dissertação. Unicamp. Instituto de Biociências, Campinas – SP. 1990.

DANTAS, M. Pantanal: use and conservation. In: III Simpósio sobre Recursos Naturais e Sócio-económicos do Pantanal os Desafios do Novo Milênio. Corumbá. Anais 2000. p.1/ 29.

DUELLMAN, W.E. Patterns of distribution of amphibians. Baltimore: Johns Hopkins Univ. Press, 1999.

EITEN, G. Vegetation near Santa Teresinha, NE Mato Grosso. Acta Amazônica 15 (3/4): 275-301. 1985.

FERREIRA, R. L. & MARQUES, M. M. G. S. M.A. Fauna de Artrópodes de Serrapilheira de Áreas de Eucaluptus SP. E Mata Secundária Heterogênea. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, 27(3) 395-403 p.1998.

GOTELI, N. J. Biogeografia de ilhas. Ecologia/Nicholas J. Gotelli tradução Gonçalo Ferraz-Londrina / Editora Planta/ 3ª Edição, 2007.

HEYER, W. R., DONNELLY, M. A., MCDIARMID, R. W., HAYEK, L. A. C. & FOSTER, M. S. Measuring and monitoring biological diversity. Standard methods for amphibians. Smithsonian Institution Press, Washington DC. 359 pp.9. 1994.

LACHAT, T.; ATTIGNON, S.; DJEGO , J.; GOERGEN, G.; NAGEL, P.; SINSIN, B.; PEVELING,R. Arthropod diversity in Lama forest reserve (South Benin), a mosaic of natural, degraded and plantation forests. Biodiversity and Conservation, London, v. 15, n. 1, p. 3-23,2006.

MARGALEF, R. On certain unifying principles in ecology. American Naturalist, Chicago, 97: 357-374. 1963.

MARTINS, F.R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas Unicamp, 1993. 246 p.

MOURÃO, G. Plano de Conservação da Bacia do Alto Paraguai. Meio físico, vol. II, Tomo I. Brasília. 1997.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. & FURLEY, P. A. Monchão, cocuruto, murundu. Ciência Hoje 11: 30-37. 1990.

OLIVEIRA -FILHO, A. T.The vegetation of Brazilian ‘murundus’ - the island-effect on the plant community. Journal of Tropical Ecology 8. 1992.

PETTILON, J.; CANARD, A.; YSNEL, F. Spiders as indicators of microhabitat changes after a grass invasion in salt-marshes: synthetic results from a case study in the Mont-Saint-Michel Bay. Cahiers de Biologie Marine, Paris, v.47, n.1, p.11-18, 2006.

PCBAP. Diagnóstico dos meios físico e biótico. Projeto Pantanal, Programa Nacional do Meio Ambiente. Plano de Conservação da Bacia do Alto Paraguai. Meio físico, vol. II, Tomo I. Brasília. 1997.

PRIMACK, Richard B.; Primack, Efraim Rodrigues.; Biologia da Conservação. Londrina 2001.

PONCE, V. M. & CUNHA, C. N. Vegetated earthmounds in tropical savannas of Central Brazil: a synthesis. Journal of Biogeography 20: 219-225.1993.

REVISTA DO CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 1ª Região (SP, MT, MS), Ano III- n° 12, Out/Nov/Dez 2009.

RIEVERS, R. C. ANFÍBIOS ANUROS DE SERRAPILHEIRA DO PARQUE ESTADUAL DO RIO DOCE: resposta à disponibilidade de recursos e aos fatores climáticos. Programa de Pós- Graduação em Ecologia de Biomas Tropicais- Universidade Federal de Ouro Preto. 2010.

SILVA, M. P.; MAURO, R. A.; MOURÃO, G., & COUTINHO, M. E. Distribuição e quantificação de classes de vegetação do Pantanal através de levantamento aéreo. Revta. Brasil. Bot. 23(2): 143-152.2000.

STRÜSSMANN, C., PRADO, C. P. A., UETANABARO, M. & FERREIRA, V. L. Amphibian and reptile survey of selected localities in the southern Pantanal floodplains, 2000.

TINÔCO, M.S. Variação da Composição da Comunidade de Artrópodes nas Formações Florestadas no Extremo Sul da Bahia: Disponibilidade de Recursos Alimentares para Lagartos e Anuros de Serrapilheira, Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal da Bahia, Instituto de Biologia, 95 p. 2004.

TOFT, C.A.Feeding Ecology of Thirteen Syntopic Species of Anurans in a Seasonal Tropical Enviroment. Oecologia, 45 p. 131-141.1980.

TOLEDO, L. F.; ZINA, J; HADDAD, C.F.B. Distribuição Espacial e Temporal de uma Comunidade de Anfíbios Anuros do Município de Rio Claro, São Paulo, Brasil. Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, C. P. 199. 8-14. 2003.

TOMATIELI, T. F. Partição de nicho por três espécies de Physalaemus (Anura: Leptodactylidae) em uma área de Cerrado do Brasil Central. 2005. 62 p. Monografia - Faculdades Integradas da Terra de Brasília, Brasília. 2005.

VASCONCELOS, T. da S; ROSSA-FERES, D. de C.; & CANDEIRA, C. P. Biodiversidade e ambientes de Reprodução de Anfíbios Anuros em Nova Itapirema, Região Noroeste do Estado de São Paulo. 2003.


Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários