Comentários do leitor

Conheça Os Alimentos Que Combatem A Ansiedade

por Margot Ames (2020-07-12)


Os benzodiazepínicos de ação curta são a primeira escolha nesses casos e, apesar de carecerem de evidências que suportem afirmações mais encorajadoras, esses psicofármacos são bastante utilizados na prática clínica. Há algumas evidências da utilidade do uso de benzodiazepínicos especialmente na dor torácica cardíaca e não cardíaca, mostrando que essa medicação diminui a ansiedade, a dor e a ativação cardiovascular. Nestes estudos, os benzodiazepínicos mostraram-se seguros ao serem administrados isoladamente ou em conjunto com outras medicações35. Os pacientes com TP seguem um padrão longo (que pode se estender a até uma década) de visitas às emergências médicas antes do diagnóstico à procura de uma causa orgânica para seus sintomas1. Portanto, além de psiquiatras, também médicos em geral e, em especial, aqueles que trabalham com atenção primária e serviços de emergência médica devem estar familiarizados com os critérios do TP.

Existem muitas causas para alguém desenvolver respostas de ansiedade. Vou falar mais sobre o tema para que você possa escolher melhores ideias para se ajudar no processo de cura. Para poder acabar e tratar a ansiedade é importante não só entender o que é, mas como isso afeta sua vida diretamente, pois os sintomas podem variar de pessoa para pessoa. No geral, a ansiedade é a resposta a sentimentos e pensamentos que acompanham as pessoas ao longo da vida, ou seja, é algo normal, Zen Caps quanto custa porém pode estar intensificado, causando mal estar e grande desconforto. No entanto, há pessoas que sofrem com transtorno de ansiedade, caracterizado pela sensação excessiva de preocupação e medo até diante das situações mais simples do cotidiano.

Todas essas situações podem ser caracterizadas como Insônia, um distúrbio do sono que pode ter inúmeras causas. Predisposição genética, causas físicas ou problemas psicológicos, estão entre elas. Além disso, há doenças que podem desencadear ou agravar os episódios de Insônia, como a Síndrome da Apneia Hipopneia Obstrutiva do Sono (SAHO), Depressão, Transtorno de Ansiedade, Fibromialgia e doenças da glândula tireoide, por exemplo.

Ela pode ser eficaz quando os problemas de sono forem causados ​​por consistentemente ir dormir e acordar tarde (por exemplo, ir dormir às 3 horas da manhã e acordar às 10 horas ou mais tarde) — chamada de doença da fase de sono atrasado. Para ser eficaz, a melatonina deve ser tomada quando o corpo produz normalmente a melatonina (início da noite para a maioria das pessoas). O uso de melatonina para insônia é controverso, mas, como tem poucos efeitos colaterais, ela é segura para uso. Ela pode ser eficaz para uso durante curtos períodos (algumas semanas), mas os seus efeitos em longo prazo ainda são desconhecidos.

Além dos sintomas já citados, existe um modelo cognitivo-comportamental por meio do qual se pode entender o caso do paciente. De acordo com essa teoria, os ataques de pânico são originados por interpretações distorcidas e catastróficas a respeito de determinadas sensações corporais. A taquicardia normal de quem sobe uma escada ou a sudorese de um dia quente podem ser interpretadas como sinal de alerta de que há algum perigo – um infarto, por exemplo. As interpretações e reações podem intensificar ainda mais a ansiedade e a sensação de desconforto.

A hiperventilação (frequente nos ataques de pânico) pode causar alcalose metabólica, piorando o desconforto físico e gerando outras interpretações catastróficas. O indivíduo vulnerável fica apreensivo à possibilidade de novos ataques após um primeiro, pois cada crise intensifica o medo e a rede de interpretações do que a causou e de suas consequências. Deve-se reforçar o caráter passageiro (cerca de minutos) do ataque e, especialmente, instruir ao paciente para que ele respire pelo nariz e não pela boca, enfatizando a importância de ele tentar controlar a frequência de inspirações no intuito de não hiperventilar. Em grande parte das vezes, a tranquilização rápida e o caráter autolimitado dos sintomas são suficientes para terminar com a crise.

As pessoas costumam associar sonolência diurna com os problemas do sono. "Sintomas de cansaço, fadiga e sono durante o dia são um prenúncio de que o sono não está indo bem", alerta Piovezan. Mas às vezes a causa não é um distúrbio, e sim a privação de sono.

O consumo de cafeína, nicotina e álcool, são grandes vilões causadores da insônia. A primeira etapa do tratamento é a identificação da causa da insônia, como dor, depressão, ansiedade, uso de medicamentos ou distúrbios do sono. Quando a insônia tem origem em outro problema, este deve ser tratado.

E também porque a ausência de um repouso adequado piora os sintomas das doenças do sono. Existem vários fatores, relacionados à rotina do dia a dia, que podem ser causadores da insônia, como por exemplo a ansiedade, o estresse, enxaqueca, dores de cabeça, artrite e também distúrbios respiratórios. O uso de eletrônicos ao dormir podem comprometer o descanso, pois estes aparelhos emitem um tipo de luz que inibe a produção da melatonina, o hormônio que nos causa a sonolência.