TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria <p><strong>Teoliterária</strong> - (Revista de Literaturas e Teologias) é uma publicação inicialmente semestral, e passando a quadrimestral à partir de 2019, do Programa de Estudos Pós-Graduados em Teologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC SP) e do Programa de Pós-Graduação em Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC PR), em parceria com a Associação Latino Americana de Literatura e Teologia (ALALITE), o Centro de Estudos de Literatura, Teorias do Fenômeno Religioso e Artes (CELTA) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e o Centro de Investigação em Teologia e Estudos da Religião (CITER) da Universidade Católica Portuguesa (UCP). A Teoliterária é classificada como A2 no Qualis CAPES. ISSN 2236-9937.</p><p><strong>Missão:</strong> A Teoliterária tem por missão veicular trabalhos científicos que contribuam para o avanço da pesquisa na área do diálogo entre literaturas e teologias, bem como demais interfaces de linguagem como arte, teatro, cinema e outros. A Teoliterária assume tanto a pluralidade de literaturas quanto a pluralidade teológica em seu escopo epistemológico, objetivando um diálogo crítico e integrador, aberta assim ao diálogo, a interdisciplinariedade e a pluralidade de ideias.</p><p><strong>Teoliteraria</strong> - Journal of Literatures and Theologies was a semesterly publication that became quadrimestral since 2019, forming part of the Graduate Program in Theology at Pontifical Catholic University of São Paulo (PUCSP) and of the Graduate Program in Theology at the Pontifical Catholic University of Paraná (PUCPR), in partnership with the Latin American Association of Literature and Theology (ALALITE), the Centre for Studies in Literature, Theories of Religious Phenomena and Arts (CELTA) at the State University of Campinas (UNICAMP), and Research Centre for theology and Religious Studies (CITER) at the Catholic Portuguese University (UCP). This Journal is classified as A2 by Qualis CAPES. ISSN 2236-9937.</p><p><strong>Mission:</strong> Teoliteraria aims to convey scientific works contributing to advance research in the dialogue area between Literature and Theology. It assumes, therefore, the plurality of both literatures and theologies as an extension of the epistemological scope, aiming a critical and integral academic work, open to dialogue, interdisciplinary approach and plurality of ideas.</p> pt-BR <p>A <strong>TeoLiterária</strong> – <em>Revista de Literaturas e Teologias</em> é detentora dos direitos autorais de todos os artigos publicados por ela. A reprodução total dos textos em outras publicações, ou para qualquer outro fim, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. Reproduções parciais de artigos (resumo, abstract, mais de 500 palavras de texto, tabelas, figuras e outras ilustrações) deverão ter permissão por escrito do editor e dos autores.</p> <p><a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License" /> </a><a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license">Creative Commons Attribution 4.0 International License</a>. </p> amanzatto@pucsp.br (Antonio Manzatto | Alex Villas Boas) suporte@pucsp.br (Department of Information Technology) seg, 01 nov 2021 17:20:44 -0300 OJS 3.2.1.3 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 As crianças de Salinger: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/52710 <p><strong>Resumo: </strong>O presente artigo procura demonstrar que há uma forte similaridade entre a maneira pela qual o escritor norte-americano J.D. Salinger construiu os vários personagens criança de <em>Nine Stories </em>(1953) – especialmente aquele nomeado <em>Teddy </em>– e a poética romântica da infância, inaugurada por autores ingleses como William Blake e William Wordsworth, onde a criança é representada como uma entidade sagrada, portadora de uma pureza e sabedoria celestiais. Para tanto, operamos uma análise direta dos contos de Salinger – pela qual exploramos suas personagens e técnicas literárias –, mas também uma ampla revisão bibliográfica que visa rastrear os motivos que levaram ao surgimento dessa poética literária da infância no século XVIII e sua continuidade até o século XX, além de identificar algumas das interinfluências das doutrinas filosóficas, teológicas e psicanalíticas que debateram a infância durante os últimos séculos. Desta forma, o presente artigo transita por questões como: desenvolvimento e educação infantil, o pecado original, inocência, experiência social e mundana, pureza de intenções e estado natural, iluminação espiritual, Salvação Cristã e Nirvana Zen-Budista. Elementos que se vinculam à sacralização da infância operada por diversos autores de textos literários, a exemplo de Blake, Wordsworth e, claro, Salinger.</p> Arthur Aroha Kaminski da Silva Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/52710 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Vida plena apesar da doença: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/53136 A teologia é um saber interdisciplinar, que envolve questões da profundidade da existência. A partir de citações poéticas Rubem Alves, Adélia Prado e Clarice Lispector emprestam importante sentido existencial, literário, vivencial à reflexão pela integridade. No Primeiro e no Segundo Testamentos, saúde é <em>shalom</em>: inteireza, paz, bem-estar. É plenitude de vida diante de Deus e das pessoas. Esse testemunho ilumina noções teológicas como a que propõe Paul Tillich sobre saúde, cura e doença, isto é, uma perspectiva da integração do ser humano a si mesmo e ao todo, para superar a alienação existencial e a angústia patológica, objetivo que pode ser alcançado por meio da cooperação entre as especialidades médicas e psi e o ministério religioso, que atuam em conjunto com o divino na superação das ambiguidades e da finitude que ameaçam o ser. Nesse sentido, a comunidade religiosa é pensada como ambiente terapêutico, que acolhe a pessoa, restaura-lhe a integridade e promove o encontro com a Presença Espiritual – a mesma que fortalece o indivíduo a tornar-se novo-ser – e a experimentar a vida no Espírito, que integra todas as dimensões e as cura, ainda que diante das doenças, da finitude, da consciência da morte. Wallace de Gois Silva Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/53136 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Teotopias poéticas do Brasil profundo: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/52970 <span id="docs-internal-guid-2ae7cc4d-7fff-c3ed-a4b2-cd684337704b"><span>No território corrediço e intervalar das teotopias, um encontro utópico entre paisagens simbólicas, verbo sagrado e poesia demiúrgica poderia abrir extensas linhas de mútua fecundação entre literatura e teologia. É o que se apresenta na hipótese que norteia este ensaio interpretativo do conto “Sequência” (1962), de João Guimarães Rosa (1908-1967). Partimos do pressuposto hermenêutico de que essa narrativa se ambienta no entrelugar de convergência de práticas culturais oriundas de diferentes tradições religiosas, sobretudo do judaísmo e cristianismo, para traçarmos possíveis linhas de interpretação, no que se refere às relações de seres humanos com suas divindades e o além, mas também com os demais entes da Natureza. O percurso dos signos religiosos espelha-se metaforicamente, em palimpsesto, por sob outro percurso — agora para dentro do sertão, do país e de suas conflitivas paisagens culturais. Por esses caminhos concomitantes e sobrepostos, o leitor é conduzido para muito além da escrita, é levado para a urgente necessidade de decidir no decurso da própria indecidibilidade dos signos, da própria indizibilidade de fenômenos como vida e morte, essa sutil matéria com que se levanta, feito uma esfinge, o irrecusável Mistério da existência, na figura de uma mistagógica “novilha pitanga”.</span></span> Josemar de Campos Maciel, Marcelo Marinho Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/52970 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 A Filosofia da Religião em Abraham Joshua Heschel: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/46375 <p>Nesse texto, na tentativa de compreensão do conceito metodológico de autodiscernimento encontrado na filosofia proposta por Abraham Joshua Heschel, objetivamos atentar para a sua compreensão do conceito de “Homem”, uma vez que o autodiscernimento pressupõe o homem que procura a sua essência transcendental. E mais ainda, para Heschel, a filosofia tem a função de analisar a religião como responsável pelas respostas fundamentais do homem, quando a religião deixa de fazer isso, ou ela se tornou ineficaz ou o homem moderno se tornou animalizado, indiscernido. Estrutura-se, pois, o fenômeno do Eclipse de Deus na modernidade. Inventariar tais matizes filosóficos à luz de Abraham Joshua Heschel torna-se o desafio por nós proposto na senda sequencial deste artigo.</p> Danilo Dourado Guerra, Emivaldo Silva Nogueira Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/46375 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 As Representações Religiosas e Teológicas na Saga Literária de Star Wars https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/52415 <p>Este artigo trata sobre as representações religiosas e teológicas que a ficção literária de Star Wars possui, destacando-se a figura icônica dos Jedis e Siths, concernente a utilização da Força. Devido a extensibilidade literária que a saga possui, os pressupostos de Daniel Wallace, conhecidos como o Caminho Jedi e o livro do Sith delimitaram a temática doravante abordada, suscitando as possíveis representações de caráter religioso e teológico que essa literatura possui. Dos resultados esperados, constatasse que a epistêmia que se figura nessa saga literária, por seus agentes, Jedis e Siths, suas ações denotam relações estritamente ligadas ao universo dicotômico das religiões, e que apresentam diferentes representações do campo religioso e consequentemente teológico.</p> José Fábio Bentes Valente, Fanuel Santos de Souza Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/52415 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 O diabo e a tentação em “O Moinho do Diabo”, de Andersen https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/46917 <p>Este artigo fará, através da pesquisa bibliográfica, uma avaliação teológica do conto “O Moinho do Diabo”, de Hans Christian Andersen. Essa análise incluirá o cotejamento entre a narrativa de Andersen e outras narrativas que incluam as figuras do diabo como tentador e do moinho como lugar de tentação. Através dessa pesquisa, é possível concluir um dos objetivos desse conto é garantir ao fiel que, ainda que o diabo seja astuto, é possível superá-lo, e até mesmo enganá-lo, como demonstrou Andersen.</p> Vanessa Meira Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/46917 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Religião e linguagem: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/48536 <p>Neste trabalho dialogamos a partir de Vattimo e Rubem Alves sobre as relações e mútuas contribuições entre os conceitos de religião e de linguagem para dar respostas a problemática de como eles se relacionam para além da noção de linguagem religiosa. Para isso, indicamos, primeiramente, como a área de linguagens da religião pensa a relação entre religião e linguagem. Prosseguimos pensando como o conceito de religião contribui para o conceito de linguagem e vice-versa. Por fim, apresentamos uma discussão sobre como nossas reflexões interagem com as teorias da religião e, por isso, com a epistemologia da ciência da religião.</p> Danilo Mendes Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/48536 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Diante da Arte: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/47174 <p>Este ensaio pretende discutir a questão da hermenêutica de Martin Buber em sua relação a arte. Nosso ponto de partida é a relação Eu-Tu como caminho para uma hermenêutica espiritual. A seguir discutiremos a questão da relação entre hermenêutica e arte no pensamento de Buber e, por extensão, a questão da relação dialógica com as esferas da natureza e dos objetos. Será abordada, ainda, a questão do que Buber designa por “a graça da unidade”, momento de encontro da alma com de Deus e, o seu inverso, o momento do caos experienciado pela alma. Para tal se escutarão as vozes de Czeslaw Milosz, Simone Weill, Paul Tillich, Milan Kundera e também de Dostoievski, interpretadas sob o viés buberiano. Concluímos com a hipótese de que é possível, a partir do horizonte hermenêutico fornecido pelo pensamento buberiano, se pensar acerca de uma concepção de hermenêutica espiritual de caráter dialógico.</p> Katia Marly Leite Mendonça Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/47174 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Não violência, Cristianismo e Sociedade em O Reino de Deus está em Vós, de Tolstói https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/50772 No final do século XIX, o renomado escritor russo Liev Tolstói publicou <em>O reino de Deus está em vós</em>,<em> </em>no qual defende suas principais propostas para a sociedade baseadas em sua visão sobre o cristianismo. Em momentos em que o cristianismo aparece na sociedade como sendo utilizado para embasar a defesa do endurecimento de punições contra o crime, como pena de morte, o uso de armas para se defender e até mesmo de guerras e exclusões sociais em todo o mundo, a proposta de Tolstói de libertar a humanidade do mal, baseando-se na resistência não violenta a todas formas de violência ganha atualidade. A análise de <em>O reino de Deus está em vós, </em>de Tolstói, evidencia sua defesa de que Cristo libertou todas as pessoas, e que podem então decidir entre o bem e o mal, rejeitando a violência e buscando estabelecer o reino de Deus em cada ser humano para que pudessem chegar ao entendimento da verdade. Esta busca não permitiria se submeter às ordens contrárias aos ensinamentos de Cristo, que para Tolstói, destacam de forma inegociável que os cristãos não devem fazer uso de todo e qualquer uso de violência, nem mesmo para reprimi-la. César Martins de Souza, Weverton Castro Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/50772 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 O Evangelho Segundo Júlio de Queiroz https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/53060 <p>Júlio de Queiroz é um escritor brasileiro, nascido no Espírito Santo, que residiu muitos anos em Santa Catarina, cuja obra compreende contos, poemas, crônicas e ensaios. Em sua literatura, o escritor demonstra uma relação próxima com a cidade de Florianópolis, principal cenário de seus contos. Além de contribuir para divulgação da obra deste escritor pouco conhecido e estudado no Brasil, este trabalho, partindo de uma análise situada dentro dos estudos de <em>Teopoética</em>, busca discutir o modo como a sua obra literária dialoga com a narrativa bíblica, principalmente no que diz respeito aos Evangelhos do <em>Novo Testamento</em>. Para tanto, são analisados dois contos do livro <em>Encontro de Abismos</em> (2002), a saber: “Escuridão no meio-dia”<em> </em>e “Enigma no entardecer”. Aproximando literatura e teologia, conclui-se que a obra de Júlio de Queiroz estabelece uma série de relações intertextuais não só com a obra de escritores canônicos da literatura ocidental, mas também com a <em>Bíblia</em> e com a própria cultura cristã. Assim, percebe-se a presença de um procedimento bastante comum em suas narrativas, que é o de escrever nas frestas, nas fissuras, do discurso bíblico, explorando o caráter literário e plurissignificativo desse texto tão importante e relevante para a cultura ocidental.</p> Charles Vitor Berndt, Salma Ferraz Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/53060 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 O Nabo Vermelho: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/47368 <p>O haicai japonês é uma forma poética que tem como temática principal a experiência com as coisas. O apontar das coisas no haicai está relacionado ao contexto zen em que teve origem, sendo uma representação da experiência de <em>satori, </em>iluminação súbita. Roland Barthes sistematiza no haicai três importantes operações semióticas: <em>isso foi, é isso! </em>e o <em>apenas isso</em>. Cada uma dessas operações apontam as coisas, sendo a primeira uma operação de autoridade, a segunda de insight e a terceira de naturalidade. Este artigo, parte dessas reflexões em torno do haicai em busca de termos que permitam abordar poemas que expressam experiência religiosa que se dão no contato com as coisas, no que proponho chamar de <em>mística literária das coisas. </em>Uma expressão que pretende reunir impulsos religiosos dentro da literatura que tenham semelhanças eletivas com aquilo que é expresso no haicai e que tenha autoridade, insight e que busque naturalidade nas coisas.</p> Vinicius Tobias Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/47368 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 A sátira do antiprofeta: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/47162 <p>O livro de Jonas tem sido amplamente conhecido como uma obra prima literária. Nas últimas décadas, estudiosos tem explorado os recursos narrativos do livro como um todo enfatizando sua relação entre forma e conteúdo. Contudo, dentre essas análises literárias, poucas exploram um fenômeno chave para se compreender o livro: a presença de ironia. No livro de Jonas, a ironia é central para revelar os múltiplos fatores de interconexão entre as diversas partes do livro. Essencial para a caracterização, a ironia joga com as expectativas do leitor; todos os personagens atuam de forma oposta à esperada. A ironia também aparece relacionada ao ponto de vista; o narrador a explora através das palavras inseridas na boca dos personagens. Finalmente, há ironia na maneira como essas palavras ecoam outros textos do cânon; o discurso do rei de Nínive, por exemplo, reproduz as palavras de Moisés em Êx. 32 e 34. Por meio da crítica narrativa, este artigo tem o objetivo de explorar como a ironia opera no livro tornando-o a sátira de um <em>antiprofeta</em>.</p> Lucas Alamino Iglesias Martins Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/47162 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Tempo e religião na canção Tempo Rei de Gilberto Gil https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/48869 O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre a canção <em>Tempo Rei </em>de Gilberto Gil. Nossas fontes principais são a letra da canção e um texto que se encontra no site oficial do compositor o qual, de modo sintético, apresenta os elementos filosóficos e religiosos da sua canção. Além destas fontes, utilizamos obras de estudiosos dos fenômenos da religião, como Mircea Eliade e Carl Gustav Jung, dentre outros. Tanto para estes autores, quanto para o compositor, há duas posições contraditórias em relação à percepção do tempo: a primeira se dá no profano, dentro dos limites da experiência e da razão humanas; e outra no sagrado, onde se admite o que está além da compreensão racional. A canção de Gilberto Gil assume a perspectiva do tempo sagrado em oposição à postura da canção <em>Oração ao Tempo</em>, de Caetano Veloso. Concluímos que a canção é um pedido do poeta para que possa compreender a passagem do tempo, bem como, para consolá-lo, das perdas inevitáveis que ela acarreta, revelando o aspecto cristão de sua fé. Jose Benedito de Almeida Júnior Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/48869 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Análise narrativa do livro de Jonas a partir do processo mimético de Paul Ricoeur https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/49593 <p>Neste artigo aborda-se o livro de Jonas, pelo método narrativo, utilizando o processo mimético de Paul Ricoeur, a partir da tríplice<em>mimesis</em>: prefiguração, configuração e refiguração. O objetivo deste artigo é realçar a importância desse tipo de abordagem para a iluminação de um caráter próprio do texto de Jonas que fica obscurecido na maior parte das reflexões elaboradas sobre esse livro: o da literatura de manifesto.Para isso, analisa-se o texto de Jonas considerando seus quatro capítulos, que correspondem a quadros narrativos, principalmente por meio da refiguração, ou seja, pelo olhar do leitor. Com isso, conclui-se que esse método favorece a compreensão do livro tanto em sua condição de literatura quanto desua teologia.</p> Luciene Lima Gonçalves, Rita Maria Gomes Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/49593 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Alteridade, amor e fé na filosofia da religião de Miguel de Unamuno https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/44091 <p>O presente artigo apresenta um estudo sobre a relação entre o sentimento religioso e a busca de sentido para existência, a partir da filosofia da religião de Miguel de Unamuno. Busca-se explicitar como o sentimento religioso, na forma de uma fé pessoal, cria sentido para a existência. Para tal fim, empreende-se um estudo dos conceitos de alteridade, amor e fé, e sua articulação pela noção de consciência pessoal, na antropologia filosófica de Unamuno. A busca de sentido e o sentimento religioso se identificam no anseio de não morrer. Estão enraizados na afetividade humana, com o que contrariam a razão lógica e científica. Na contradição entre fé e razão, cabe à fé, pela palavra poética, criar sentido para a existência.</p> Newton Aquiles von Zuben, Anderson da Silva Oliveira Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias ISSN 2236-9937 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/44091 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Apophatiké: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/56050 <p>O presente artigo tem o intuito de apresentar um breve panorama acerca do grupo Apophatiké: Estudos interdisciplinares em Mística. O grupo congrega pesquisadores de diversas áreas acadêmicas, especialmente de Filosofia, Teologia, Letras, Psicologia e Ciências da Religião, de várias Instituições do Brasil, que têm suas pesquisas vinculadas aos temas da Mística e da Ascese. Iniciado em Março de 2010, mantém reuniões periódicas, no decurso das quais os membros do grupo apresentam internamente suas pesquisas e decidem os encaminhamentos das atividades do grupo. Além da realização de grupos de estudos e eventos acadêmicos, o grupo tem como objetivo produzir textos que representem as conclusões de suas pesquisas. Os temas principais pesquisados são: Relações entre Mística e Literatura na contemporaneidade; a Mística Neoplatônica (Plotino, Proclo e Pseudo-Dionísio); Mística dos Primeiros Padres (Orígenes, Evágrio, Agostinho), Mística e Psicanálise (Freud, Fichte) Místicos Contemporâneos (Simone Weil, Christian de Chergé, Dietrich Bonhoeffer, etc).</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>mística, literatura, filosofia, interdisciplinariedade, antiguidade, contemporaneidade</p> Maria Clara Bingemer Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/56050 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Grupo de pesquisa Litere – Literatura, Teoria literária e Religião https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54876 <p>O presente artigo tem o propósito de apresentar o grupo de pesquisa “Litere – Literatura, Teoria literária e Religião”, em seus diversos aspectos. Para isso, inicialmente, nos concentraremos na descrição de seu vínculo institucional e, consequentemente, de sua relação com as Ciências da Religião no Brasil; também faremos uma breve exposição de sua proposta básica, bem como de sua organização geral, e de suas principais atividades, ressaltando aspectos históricos que julgamos relevantes. Num segundo momento, nos centraremos na apresentação dos marcos epistemológicos e referenciais teóricos que norteiam o nosso trabalho. Por fim, tentaremos oferecer um panorama do número de pesquisadores, eventos organizados e publicações.</p> Marcio Cappelli, Vitor Chaves de Souza Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54876 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Contribuições à interface religião e literatura: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54776 <p>O texto a seguir constitui-se como um breve relato acerca da emergência, dos horizontes metodológicos e teóricos, das pesquisas desenvolvidas e em andamento, dos recursos humanos e das produções intelectuais do Grupo de Pesquisa Religião e Cultura da Universidade do Estado do Pará, que é vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da referida IES. Desde 2009, ano do seu surgimento, o GP procura ser um espaço que agrega interesses científicos coletivos e individuais dos seus integrantes em prol do desenvolvimento de pesquisas e da socialização do conhecimento a partir das interconexões estabelecidas entre a religião e a literatura.</p> Douglas Rodrigues da Conceição Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54776 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Grupo de pesquisa REPLUDI/PUC Minas e sua linha de pesquisa Religião, Linguagem e Literatura https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54835 <p>Este artigo apresenta a linha de pesquisa Religião, Linguagem e Literatura, que integra o grupo de pesquisa Religião, Pluralismo e Diálogo (REPLUDI), ligado ao Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da PUC Minas. O texto descreve algumas atividades do grupo, em seu conjunto, e, mais particularmente, a produção acadêmica da linha, bem como as referências teóricas e metodológicas que sustentam suas pesquisas. O objetivo principal deste relato, repercutindo o que a revista Teoliterária tem realizado em seus 10 anos de existência, associa-se ao interesse de compartilhar nossas pesquisas com outros pesquisadores e grupos que debatem as interfaces entre teologia/ciências da religião e literatura. Os dados históricos e bibliométricos aqui apresentados foram buscados no site do PPGCR, nas redes sociais do grupo de pesquisa e na plataforma lattes. As questões teóricas e metodológicas foram extraídas das produções acadêmicas dos pesquisadores.</p> Antonio Geraldo Cantarela, Tânia Dias Jordão, Alair Matilde Naves Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54835 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 O diálogo entre literatura e estudos de religião e teologia no Grupo de Pesquisa sobre Protestantismo, Religião e Arte da PUC Minas https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54903 <p>O artigo apresenta a trajetória do GPPRA – Grupo de Pesquisa sobre Protestantismo, Religião e Arte – do Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da PUC Minas e sua contribuição para o diálogo entre literatura e teologia no Brasil. O grupo, organizado em 2018, tem como um de seus eixos de investigação acadêmica o diálogo entre a literatura e os estudos de religião e a teologia. O artigo apresenta um diferencial da atuação do grupo, a saber, a “opção preferencial” (mas de modo algum exclusiva) pelas literaturas fantástica e de fantasia como seus objetos de estudo. No artigo são também apresentadas as principais referências teóricas para a hermenêutica literária e para o diálogo entre literatura e estudos de religião e teologia utilizados nas pesquisas do grupo, e, de igual maneira, para a análise dos autores aos quais o grupo dedica atenção especial, a saber, J. R. R. Tolkien e C. S. Lewis.</p> Carlos Ribeiro Caldas Filho, Diego Genu Klautau Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54903 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Grupo Literatura, Religião e Teologia da PUC-SP https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54845 <p>O texto a seguir, como se fora uma crônica, enumera as principais atividades do Grupo Lerte, da PUC-SP em seu trabalho na interface teologia e literatura. Destaca que o grupo privilegia no estudo o chamado método antropológico, baseado na compreensão da revelação divina acontecendo em categorias humanas, e finca bem suas raízes na proposta de uma reflexão teológica que leve a sério o humano afirmado na literatura. Daí a necessidade de uma análise literária séria e consequente, aliada a uma hermenêutica que seja igualmente de qualidade e que possibilite a relação entre teologia e literatura. Por isso o apelo ao pensamento de Paul Ricoeur, cuja filosofia não afirma apenas a necessidade da compreensão do texto, mas sim a possibilidade de se compreender no mundo a partir do texto. Do ponto de vista da elaboração teológica, sua reflexão precisa ser, igualmente, séria e consequente, e por isso as referências ao pensamento de Rahner, Gesché, ao espírito do Concílio Vaticano II e à tradição teológica latino-americana.</p> Glaucio Alberto Faria de Souza, Antonio Manzatto Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54845 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Interfaces entre teologia e literatura para dizer e pensar o corpo como enigma, dádiva e pathos https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/55589 <p>Quando surgiu, em 2007, o Grupo de Pesquisa “As interfaces da antropologia na teologia contemporânea”, buscava estabelecer o diálogo entre antropologia e cristologia. O ingresso de pesquisadores/as de outras áreas no Grupo levou-o progressivamente a se interessar pelo lugar da poesia e das narrativas na compreensão de uma das dimensões constitutivas do humano: sua corporeidade. Inicialmente essa temática foi abordada a partir da fenomenologia, culminando no I Colóquio Interfaces, com o tema “Corpo-Encarnação” (2015). Daí emergiram as perspectivas a partir das quais a corporeidade passou a ser abordada pelo Grupo: enigma, dádiva e <em>pathos</em>. Para tratá-las, viu-se a necessidade dos recursos da razão poética. O Grupo passou então a privilegiar um diálogo mais estreito com a literatura poética e narrativa, o que deu origem ao II Colóquio Interfaces: “Escritas do crer no corpo, em obras de língua portuguesa” (2017), e com a escrita mística, que deu origem ao III Colóquio Interfaces “Esses corpos que me habitam no sagrado do existir” (2019). O texto aqui proposto retoma brevemente o percurso feito pelo Grupo nesses anos, apresentando, em seguida, alguns elementos teóricos que norteiam sua compreensão da relação entre a poética e a teologia para pensar a corporeidade.</p> Geraldo Luiz De Mori Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/55589 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 NEBIL (Núcleo de Estudos Bíblia e Literatura, CNPq): https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54870 <p class="Default">Este artigo apresenta o Núcleo de Estudos Bíblia e Literatura (NEBIL, CNPq), assim como indica seus membros, atividades e produção bibliográfica. Como principal produção do Núcleo, tem sido desenvolvido o projeto de pesquisa “Análise literária dos evangelhos canônicos: novas abordagens para a interpretação bíblica”. Dessa forma, serão acrescentados novos elementos à interpretação literária de um grupo particular de narrativas presentes no Novo Testamento: os evangelhos canônicos. O projeto se circunscreve ao campo de estudos intitulado “Bíblia como literatura”, com amplo desenvolvimento na Europa e nos EUA. No Brasil, tais estudos ainda dão seus primeiros passos. Para o desenvolvimento do projeto faz-se uso de teorias literárias, teorias da recepção, história do livro e da leitura. Faz parte do escopo do projeto a realização de eventos que reúnam pesquisadores e interessados, assim como a publicação de artigos científicos e de um livro de coletânea com trabalhos dos pesquisadores e convidados.</p> João Cesário Leonel, Cristhiano Motta Aguiar, Anderson Oliveira Lima Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54870 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Religião, linguagem e cultura: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54937 O Grupo de Pesquisa “Religião, linguagem e cultura” (RELINC) – cadastrado no “Diretório de Grupos de Pesquisa” do CNPq e certificado pela PUC-Campinas – desenvolve pesquisas em franco diálogo com o escopo da <em>Teoliterária</em>, que completa 10 anos de existência. Estudamos as relações entre religião, linguagem e cultura, analisando, por um lado, a polissemia e a possibilidade de recriação de sentidos ilimitados da linguagem em diálogo e tensão com o sagrado; e, por outro lado, procurando compreender as formas de domesticação e submissão da linguagem religiosa a projetos de poder. Nosso artigo se organiza em três seções, ao mesmo tempo, descritivas e analíticas: (1) a apresentação do RELINC para a comunidade que se organiza em torno da <em>Teoliterária</em>; (2) os aspectos epistemológicos envolvidos em nossas pesquisas, com destaque para o diálogo da religião com a arte (especialmente, a literatura e o cinema) e para a mística religiosa como crítica social; e (3) os aspectos bibliométricos do RELINC, referentes ao último quadriênio avaliativo (de acordo com o calendário da CAPES). Breno Martins Campos, Ceci Maria Costa Baptista Mariani, Paulo Augusto de Souza Nogueira Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/54937 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Teopatodiceia: https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/56173 <p>O campo de estudos em Teologia e Literatura está consolidado no contexto brasileiro. A proposta do grupo teopatodiceia visa situar este diálogo da teologia como pergunta pelo sentido de Deus na busca de sentido humana e oferta de uma racionalidade crítica a um sistema de crença tendo a literatura como interlocutora privilegiada, mas também outras formas de narrativas e expressões artísticas da condição humana. Nesse sentido, o elemento antropológico visa não somente o diálogo com a antropologia literária mas considera também, desde um projeto de arqueologia do saber teológico, a produção de subjetividades implicadas (<em>pathos</em>) nos saberes em diálogo e nos modelos epistemológicos que melhor favorecem a elaboração de uma teologia pública, plural e contrahegemônica a fim de discernir modos de se responsabilizar por uma agenda pública desde uma sensibilidade ética (<em>diké</em>) comum aos dilemas contemporâneos. A literatura ocupa um papel importante de heterologia no diálogo com a teologia. Como uma abordagem interdisciplinar, o projeto arqueológico se nutre dos percursos teóricos de autores como Antonio Manzatto, Paul Ricoeur, Michel Foucault, Michel de Certeau e David Tracy. Numa crítica à autorreferencialidade teológica, a via dialógica, interdisciplinar e intercultural da perspectiva teológica do grupo se aloca no conjunto das ciências humanas.</p> Alex Villas Boas, Jefferson Zeferino, Andreia Cristina Serrato Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/56173 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300 Teoliterária 10 anos https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/56188 Alex Villas Boas Copyright (c) 2021 TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://revistas.pucsp.br/index.php/teoliteraria/article/view/56188 seg, 01 nov 2021 00:00:00 -0300