ESPIRITUALIDADE E DOENÇAS CRÔNICAS: itinerários terapêuticos de pessoas vinculadas a seguros-saúde nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro

Maria Elisa Gonzalez Elisa Gonzalez Manso, Leonardo Garcia Góes

Resumo


RESUMO: Espiritualidade é um conceito mais amplo do que religião e está relacionado à transcendência. É uma definição que não desmembra os aspectos físicos e mentais e que agrega o aspecto espiritual, fazendo parte de uma multidimensionalidade, e que se apoia nas contribuições atuais da física quântica e biologia. Ela faz parte do itinerário terapêutico como uma perspectiva para o futuro e alívio do sofrimento dos indivíduos, desempenhando papel fundamental na saúde como um recurso de enfrentamento dos desafios da vida. Trata-se de um estudo qualitativo com o objetivo de comprovar, ou não, a crença de que pessoas que utilizam seguros-saúde procurariam alívio para suas doenças apenas dentro da medicina hegemônica sem recorrer aos tratamentos alternativos e religiosos, por meio de entrevistas com um grupo de pessoas portadoras de doenças crônicas que se enquadram nessa crença, a fim de conhecer como sua espiritualidade influencia seu itinerário terapêutico. Todos os entrevistados, desde quando se sentiram doentes ou após o recebimento do diagnóstico, procuraram atendimento dentro do modelo médico hegemônico. Entretanto, várias práticas de alívio e cura foram procuradas pelos mesmos paralelamente aos cuidados alopáticos. Para essas pessoas, não há uma substituição do sistema médico hegemônico, mas vários caminhos terapêuticos que se complementam. Percebeu-se que o grupo entrevistado possui um itinerário terapêutico, que inclui, além da biomedicina, práticas espirituais e religiosas, independentemente da idade e do tipo de doença que os acomete. Dessa forma, é importante a abordagem da espiritualidade na atenção primária, para estreitar o vínculo médico-adoecido, devendo-se investir na formação destes profissionais, introduzindo o conhecimento sobre as terapias complementares, práticas populares e os efeitos da espiritualidade e religiosidade no processo saúde-doença.



Palavras-chave


Aceitação pelo paciente de Cuidados de Saúde. Espiritualidade. Doença Crônica.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALVES, Paulo César. Itinerário terapêutico e os nexus de significados da doença. Revista De Ciências Sociais-Política & Trabalho, v. 1, n. 42, 2015.

ASSIS, Denise de. A influência da espiritualidade na saúde física e mental. Interespe. Interdisciplinaridade e Espiritualidade na Educação. ISSN 2179-7498, v. 1, n. 2, p. 44-52.

BATISTA JR, João. No espírito da cura. Revista Veja. 21 de setembro de 2011. Disponível em http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx. Acesso em 28 de janeiro de 2018.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS. Dados G

gerais ANS. Disponível em http://www.ans.gov.br/materiais-para-pesquisas/perfil-do-setor/dados-gerais. Acesso em 19 de julho de 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Sistema de Saúde Suplementar. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CABRAL, Ana Lucia Lobo Vianna et al. Itinerários terapêuticos: o estado da arte da produção científica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 4433-4442, 2011.

CANESQUI, Ana Maria. Legitimidade e não legitimidade das experiências dos sofrimentos e adoecimentos de longa duração. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 409-416, 2018.

CAPRA, Fritjof. O Tao da física. São Paulo: Cultrix, 1990.

CSORDAS, Thomas. Corpo/significado/cura. Porto Alegre: Editora UFRGS, p. 5-47, 2008.

DA MATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

DALMOLIN, Indiara Sartori; HEIDEMANN, Ivonete Teresinha Schülter Buss. Práticas integrativas e complementares e a interface com a promoção da saúde: revisão integrativa/Integrative and complementary practices and the interface with the health promotion: integrative review. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 16, n. 3, 2017.

DREW, Elaine M.; SCHOENBERG, Nancy E. Deconstructing fatalism: ethnographic perspectives on women's decision making about cancer prevention and treatment. Medical anthropology quarterly, v. 25, n. 2, p. 164-182, 2011.

ESPÍRITO-SANTO, Ruy César do. O renascimento do sagrado na educação. Campinas-SP: Papirus, 2000.

FOCH, Gisele Fernandes de Lima; SILVA, Andressa Melina Becker; ENUMO, Sônia Regina Fiorim. Coping religioso/espiritual: uma revisão sistemática de literatura (2003–2013). Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 69, n. 2, p. 53-71, 2017.

GOMES, Mara Helena de Andréa; MARTIN, Denise; SILVEIRA, Cássio. Comentários pertinentes sobre usos de metodologias qualitativas em saúde coletiva. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, p. 469-477, 2014.

GUIMARÃES I.P; CAMPOS R. X.; FONSECA IMG; MOREIRA GJM; MELO PBR. Abordagem da espiritualidade na prática médica de medicina de família e comunidade. Anais VI Congresso Sul-Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade. Florianópolis, 2018.

HARVEY, Idethia S.; SILVERMAN, Myrna. The role of spirituality in the self-management of chronic illness among older African and Whites. Journal of cross-cultural gerontology, v. 22, n. 2, p. 205-220, 2007.

HELMAN, Cecil G. Cultura, saúde e doença. Artmed Editora, 1994.

HOPMAN, Petra; RIJKEN, Mieke. Illness perceptions of cancer patients: relationships with illness characteristics and coping. Psycho‐Oncology 24.1 (2015): 11-18.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Uma análise das condições de vida da população brasileira 2010 Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/SIS_2010.pdf .Acesso em 19 de julho de 2018.

INSTITUTO DE ESTUDOS DE SAÚDE SUPLEMENTAR. PIB estadual e saúde: riqueza regional relacionada à disponibilidade de equipamentos e serviços de saúde para o setor de saúde suplementar. Rio de Janeiro: IESS, 2014.

JUNIOR, João Paulo Roberti; BENETTI, Idonézia Collodel; ZANELLA, Michele. Itinerário terapêutico, escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, v. 8, n. 18, 2016.

LEVI-STRAUSS, Claude. A eficácia simbólica In LEVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 2012a.

LEVI-STRAUSS, Claude. O feiticeiro e sua magia In LEVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 2012b.

LUCCHETTI, Giancarlo et al. Espiritualidade na prática clínica: o que o clínico deve saber. Rev Bras Clin Med, v. 8, n. 2, p. 154-8, 2010.

MANSO, Maria Elisa Gonzalez et al. Avaliação Multidimensional do Idoso: resultados em um grupo de indivíduos vinculados a uma operadora de planos de saúde. Revista Kairós: Gerontologia, v. 21, n. 1, p. 191-211, 2018.

MARIN, Raquel Cornélio; COMIN, Fabio Scorsolini. Desfazendo o “mau-olhado”: magia, saúde e desenvolvimento no ofício das benzedeiras. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 37, n. 2, p. 446-460, 2017.

MATURANA, Humberto R.; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. 2001.

MELO, Cynthia de Freitas et al. Correlação entre religiosidade, espiritualidade e qualidade de vida: uma revisão de literatura. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 15, n. 2, 2015.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza (Org.) Pesquisa social: teoria, método, criatividade. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2013. 33ª Ed.

MORENO-ALTAMIRANO, Laura. Reflexiones sobre el trayecto salud-padecimiento-enfermedad-atención: una mirada socioantropológica. 2007.

NEUNER-JEHLE, Stefan et al. Patient–provider concordance in the perception of illness and disease: a cross-sectional study among multimorbid patients and their general practitioners in switzerland. Patient preference and adherence, v. 11, p. 1451, 2017.

PANITZ, Gabriel de Oliveira et al. Instrumentos de abordagem da espiritualidade na prática clínica. Acta méd. (Porto Alegre), v. 39, n. 1, p. 37-45, 2018.

PINEZI, Ana Keila Mosca; GIAMPAOLI, Michelangelo. Cura religiosa: narrativas de itinerários terapêuticos em dois contextos religiosos. Anais II Simpósio Internacional da Associação de História das Religiões. Florianópolis, 2016.

PORTER, Roy. Kleinman Arthur. Patients and healers in the context of culture. An exploration of the borderland between anthropology, medicine, and psychiatry, Berkeley, Los Angeles, and London, University of California Press, 1980, 8vo, pp. xvi, 427, illus.,£ 15.00. Medical history 25.4 (1981): 435-436.

ROSA, Luciana Martins da; BÚRIGO, Telma; RADÜNZ, Vera. Itinerário terapêutico da pessoa com diagnóstico de câncer: cuidado com a alimentação. Rev. enferm. UERJ, v. 19, n. 3, p. 463-467, 2011.

SAIZAR, Mercedes; DISDERI, Ivania. Culturas, enfermedades y medicinas. Reflexiones sobre la Atención de la Salud en Contextos Interculturales de Argentina, Ediciones IUNA. 2004.

SOBRINHO, Vicente Batista de Moura Sobrinho. MORIN, Edgar. Os setes saberes necessários á educação do futuro. Trad. Catarina Eleonora F. Da Silva & Jeanne Sawaya; Revisão Técnica de Edgar de Assis Carvalho. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2001, 118P.

ASSIS, Denise de. A influência da espiritualidade na saúde física e mental. Interespe.

VELASCO, MAA et al. Dimensiones culturales del concepto de salud em trabajadores jubilados de Guadalajara, México. Hacia la promoción de la salud, p. 13-27, 2010.

WENDHAUSEN, Águeda Lenita Pereira; REBELLO, Bárbara Christina. As concepções de saúde-doença de portadores de hipertensão arterial. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 3, n. 3, p. 243-252, 2004.




DOI: https://doi.org/10.23925/2179-7498.2019n12p23-39

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2179-7498

Interespe está indexada em: