GOVERNAMENTALIDADE, NEOLIBERALISMO E A CULTURA ORGANIZACIONAL COMO FERRAMENTA DE CONTROLE

Daiana Sarmento Silva, Alessandro Gomes Enoque, Alex Fernando Borges

Resumo


Este ensaio teórico tem, por objetivo principal, estabelecer uma relação entre a racionalidade neoliberal e o advento da gestão da cultura organizacional como uma ferramenta de controle indireto das condutas individuais, a partir da ideia de liberdade, que instaura uma nova governamentalidade empresarial (Foucault, 2008b). Para tanto, retomamos as mudanças históricas provocadas pela crise econômica da década de 70, que deram início a era neoliberal, com o intuito de analisar, a partir dos conceitos de Foucault (2008a, 2008b) de governamentalidade e do conceito de racionalidade (Dardot & Laval, 2016), o conceito de cultura organizacional.


Palavras-chave


Foucault, Racionalidade, Cultura Organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Alcadipani, R. (2008). Dinâmicas de poder nas organizações: a contribuição da governamentalidade. Revista Comportamento Organizacional e Gestão, 14(1), 97-114.

Alvesson, M. (2007). Understanding organizational culture. London: Sage.

Anderson, P. (1995). Balanço do neoliberalismo. In: E. Sader & P. Gentili (Orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (pp. 09-23).

Antunes, R. (1997). Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no mundo do trabalho. Campinas: Cortez.

Antunes, R. (2000). Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Antunes, R. (2017). A fábrica da educação: da especialização taylorista à flexibilização toyotista. São Paulo: Cortez.

Barbosa, L. N. H. (1996). Cultura administrativa: uma nova perspectiva das relações entre antropologia e administração. Revista de Administração de Empresas, 36(4), 06-19.

Becker, G. S. (1964). Human capital: a theoretical and empirical analysis, with special reference to education. Chicago: The University of Chicago Press.

Boltanski, L., & Chiapello, È. (2009). O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes.

Carrieri, A, Cavedon, N. R., & Leite da Silva, A. R.. (2008). Cultura nas organizações: uma abordagem contemporânea. Curitiba: Juruá.

Chanlat, J. F. (1994). O Indivíduo na Organização: dimensões esquecidas. V.3. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Costa, I. S. A., & Campos, A. M. M. (2003). Pós-modernismo e teoria organizacional: um ensaio bibliográfico. Revista de Administração Pública, 37(3), 627-639.

Costa, S. S. (2009). Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e empreendedorismo. Revista Educação & Realidade, 34(2), 171-186.

Cuche, D. (1999). A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC.

Cunha, J. V. A., Cornacione Jr., E. B. & Martins, G. A. (2008). Pós-graduação: o curso de doutorado em ciências contábeis da FEA/USP. Revista Contabilidade & Finanças,(19) 48 , 6-26.

Daft, R. L. (2003). Organizações: teorias e projetos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Dardot, P, & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Du Gay, P. (1991). Enterprise culture and the ideology of excellence. New Formations, 13(1), 45-61, 1991.

Fimyar, O. (2009). Governamentalidade como Ferramenta Conceitual na Pesquisa de Políticas Educacionais. Educação & Realidade, 34 (3), 35-45.

Foucault, M. (2008a). Nascimento da Biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978-1979). Martins Fontes: São Paulo.

Foucault, M. (2008b). Segurança, Território, População. Curso dado no Collège de France (1977 - 1978). São Paulo: Martins Fontes.

Freitas, M. E. (2007). Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning.

Geertz, C. (1978). A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar.

Gordon, C. Governamentality. (1991). In: G. Burchell, C. Gordon, & P. Miller (Orgs.). The Foucault effect: studies in governamentality. Chicago: The University of Chicago Press.

Hamann, T. (2012). Neoliberalismo, governamentalidade e ética. Ecopolítica, 3(1), 99-133.

Harvey, D. (1992). A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.

Hayek, F. (1994). The Road to Serfdom. Chicago: The University of Chicago Press.

Leite-da-Silva, A.R. et al. (2006). Contradições gerenciais na disseminação da "cultura corporativa": o caso de uma estatal brasileira. Revista de Administração Pública, 40(3), 357-384.

López-Ruiz, O. (2009). O consumo como investimento: a teoria do capital humano e o capital humano como ethos. Mediaciones, 14(2), 217-230.

Machado, L. R. S. (1996). Racionalização produtiva e formação no trabalho. Trabalho & Educação, 0(2), 41-61.

Martin, J., & Frost, P. (2001). Jogos de guerra da cultura organizacional: a luta pelo domínio intelectual. In: S. Clegg, C. Hardy, & W. R. Nord. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: reflexões e novas direções. São Paulo: Atlas. (pp. 219-251).

Mascarenhas, A. O. (2002). Etnografia e cultura organizacional: uma contribuição da antropologia à administração de empresas. Revista de Administração de Empresas, 42(2), 88-94.

Mendes, C. & Lima, G.P.C. (2015, outubro). Neoliberalismo, Capital Humano e Currículo. Anais da 37ª Reunião Nacional da ANPED, Florianópolis, SC, Brasil, 37.

Meyerson, D., & Martin, J. (1987). Cultural change: an integration of three different views. Journal of Management Studies, 24(6), 623-647.

Mils, T., Boylstein, C.A., & Lorean, S. (2001). ‘Doing’ Organizational Culture in the Saturn Corporation. Organization Studies, 22(1), 117-143.

Ortega, F. (2002). Genealogias da Amizade. São Paulo: Iluminuras.

Ouchi, W. G., & Wilkins, A. L. (1985). Organizational culture. Ann. Rev. Social., 11(2), 457-483.

Santos, L. G. (2007). Apresentação. In: López-Ruiz, O. (Org.). Os executivos das transnacionais e o espírito do capitalismo: capital humano e empreendedorismo como valores sociais. Rio de Janeiro: Azougue Editorial. (pp. 11-21).

SANTOS, G. S. C. dos (2017). A cultura organizacional como forma de controle invisível nas organizações modernas e pós-modernas. Revista Espaço Acadêmico, 17(194).

Schein, E. H. (2001). Guia de Sobrevivência da Cultura Corporativa. Rio de Janeiro: Ed. Jose Olímpio.

Schultz, T. W. (1959). Investment in man: an economist view. The Social Service Review, 32(2), 109-117.

Smircich, L. (1983). Concepts of culture and analysis organizational. Administrative Science Quartely, 28(3), 339-358.

Sousa, J. S. (2003). A “nova” cultura do trabalho e seus mecanismos de obtenção do consentimento operário: os fundamentos da nova pedagogia do capital. In: R. L. Batista, R. L., & R. Araújo. (Org.). Desafios do trabalho-Capital e luta de classes no século XXI. Londrina: Práxis.

Souza, S. P., & Barros, M. E. B. (2012, maio). Governamentalidade de empresas e saberes da administração. Anais do VII Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD, Curitiba, PR, Brasil, 07.

Spínola, V. (2004). Neoliberalismo: Considerações acerca da origem e da história de um pensamento único. Revista de Desenvolvimento Econômico, 6(9), 104-114.

Willmott, H. (1993). Strength is ignorance, slavery is freedom: managing culture in modern organizations. Journal of Management Studies, 30(4), 199-239.

Wright, S. (1994). “Culture” in anthropology and organizational studies. In: Wright, S. (Org.). Anthropology in organizations. London: Routledge.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i2p3-22

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: