KNOWLEDGE MANAGEMENT IN PUBLIC SERVICES: A MODEL APPLIED IN A PUBLIC UNIVERSITY

June Marques Fernandes, Alana Deusilan Sester Pereira, Luciana Paula Reis, Sergio Evangelista Silva

Resumo


Knowledge Management (KM) is a fundamental process for improving the efficiency and effectiveness of organisations, there are few articles that address KM in service environments, especially those in the sphere of public administration. This current situation poses an important gap between the KM in public settings. While in firms the KM practices should be guided to the necessity of firm obtain profits and generate value clients who pay for its products, in public services social wellbeing is the main purpose. In light of this possibility of contributing to the KM literature, in this article we propose a methodology for KM to improve public services. Through an essentially qualitative approach we adopted the case study method to collect data in administrative department in a public university. As a result, it was proposed the knowledge management model to public services settings.

 


Palavras-chave


knowledge management; public administration; service management; knowledge management models; information management

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Alvarenga Neto, R. C. D. (2002). Gestão da informação e do conhecimento nas organizações: análise de casos relatados em organizações públicas e privadas. (Mestrado em Ciência da Informação) – PPGCI, Escola de Ciência da Informação da UFMG, Belo Horizonte.

Baêta, A. M. C., Martins, A. M. R., Baêta, F. M. C. (2002). A gestão do conhecimento e vantagens competitivas: análise de metodologias de implantação. Pedro Leopoldo: Revista Gestão & Tecnologia. 1, 1, 41-50. Barnes, R. M. (1982). Estudo de movimentos e de tempos (6ª ed.). São Paulo: Edgard Blücher.

Batista, F. F. (2002). Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Disponível em .

Carlucci, D., & Schiuma, G. (2007). Knowledge assets value creation map: assessing knowledge assets value drivers using AHP. Expert Systems with applications, 32(3), 814–821.

Corsatto, C. A., & Hoffmann, W. A. M. (2013). Gestão do Conhecimento e Inteligência competitiva: delineamento de estratégias de competitividade e inovação para pequenas empresas. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 18(38), 19–36.

Denicolai, S., Zucchella, A., & Strang, R. (2014). Knowledge assets and firm international performance. International Business Review, 23(1), 55–62.

Fargnoli, M., & Sakao, T. (2017). Uncovering differences and similarities among quality function deployment-based methods in Design for X: Benchmarking in different domains. Quality Engineering, 29(4), 690–712.

Fischmann, A. A., & Zilber, M. A. (1999). Use of performance indicators as a support tool for strategic management. Proceedings of the 23rd Meeting of the ANPAD, Foz do Iguaçu, Brazil. ANPAD.

Giampaoli, D.; Ciambotti, M.; Bontis, N. (2017). Knowledge management, problem solving and performance in top Italian firms. Journal of Knowledge Management, 21(2), 355–375.

Heisig, P. (2009). Harmonisation of knowledge management – comparing 160 KM frameworks around the globe. Journal of Knowledge Management, v. 13, n. 4, p. 4 – 31.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Metodologia para mapeamento de conhecimentos críticos na Administração Públic Estadual: com base na experiência da Secretaria Estadual da Fazenda. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, Setembro de 2013. p. 25.

Kamada, S. (2008). A cadeia de ajuda para manter a estabilidade produtiva. Disponível em . Acesso em 03 de dezembro de 2016.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Prandini, L. H. M., & Pereira, A. D. S. (2016). A utilização de um manual com os modelos de os modelos de Gestão do Conhecimento para o auxílio do processo de ensino-aprendizagem. In: IX Mostra Pró-Ativa da UFOP – Encontro de Saberes, Ouro Preto. Universidade Federal de Ouro Preto.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico (2nd ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Rebeca, A. R.; Souder, D. (2015) Facilitating tacit knowledge transfer: Routine compatibility, trustworthiness and integration in M & As. Journal of Knowledge Management, v.19, n.2, p.257-276.

Rigotti, F. (2016). Matriz de Versatilidade ou Matriz de Polivalência. Disponível em: . Acesso em 03 de dezembro de 2016.

Rozados, H. B. F. (2005). Use of indicators in the management of information resources. Journal of Digital Library and Information Science, 3(1), 60–76.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2009). Administração da Produção (3ª edição) (p. 728). São Paulo: Atlas.

Teece, D. J., & Pisano, G., & Shurn, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509–533.

Teixeira Filho, J. (2000). Gerenciando conhecimento. Rio de Janeiro: SENAC.

Terra, J. C. C. (2005). Gestão do Conhecimento – O grande desafio Empresarial. São Paulo: Negócio Editora.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos (5ed.). Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i3p107-124

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: