PRÁTICAS DE APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL: Estudo de casos múltiplos em empresas de consultoria na cidade de São Paulo

Fernando Rejani Miyazaki, Márcio Shoiti Kuniyoshi, Wilson Aparecido Costa de Amorim, Luiz Roberto Alves

Resumo


A aprendizagem organizacional busca analisar formas de geração, aprimoramento e utilização do conhecimento nas empresas para criar valor e competitividade em seus mercados, e as práticas de aprendizagem organizacional englobam iniciativas adotadas por estas empresas para gerar uma ambiência propícia ao aprendizado, apoiadas e complementadas pelas práticas da gestão do conhecimento. Utilizou-se uma abordagem qualitativa, com análise documental e depoimentos de funcionários em cargos diretivos, para analisar individualmente e de forma cruzada dois casos, de duas organizações de consultoria de grande porte localizadas na cidade de São Paulo, com clientes de diversos portes e segmentos. As percepções, depoimentos e registros obtidos indicam que as práticas existentes visam fornecer um conjunto de capacidades comum às responsabilidades, papeis desempenhados e trilhas de desenvolvimento, para aproveitar experiências anteriores, mapear práticas de sucesso e transferir conhecimentos para padronizar habilidades básicas, e assim embasar a especialização de conhecimentos e viabilizar padrões elevados de entregas obtidas.

Palavras-chave


Aprendizagem organizacional; Gestão do conhecimento; consultoria; casos múltiplos; análise cruzada

Texto completo:

PDF

Referências


Amorim, W. A. C. (2007). A evolução das organizações de apoio às entidades sindicais brasileiras : um estudo sob a lente da aprendizagem organizacional. Tese de doutorado (Administração), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Amorim, W. A. C., & Fischer, A. L. (2013). A aprendizagem organizacional e suas bases econômicas. Nova Economia, 23(2), 329-366.

Antonello, C. S. (2005). A metamorfose da aprendizagem organizacional: uma revisão crítica. In R. L. Ruas, C. S. Antonello, & L. H. Boff (Orgs.). Os novos horizontes da gestão : aprendizagem organizacional e competências (Cap. 1, pp. 12-33). Porto Alegre: Bookman.

Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2009). Uma agenda brasileira para os estudos em aprendizagem organizacional. Revista de Administração de Empresas, 49(3), 266-281. doi: 10.1590/S0034-75902009000300003

Argote, L., & Miron-Spektor, M. (2011). Organizational Learning: From Experience to Knowledge. Organization Science, 22(5), 1123-1137. doi: 10.1287/orsc.1100.0621

Argyris, C. (1991). Teaching Smart People How to Learn. Harvard Business Review, 69(3), 99-109.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.). Lisboa: Edições 70.

Bitencourt, C. C. (2004). A gestão de competências gerenciais e a contribuição da aprendizagem organizacional. Revista de Administração de Empresas, 44(1), 58-69. doi: 10.1590/S0034-75902004000100004

Careerbuilder LLC. (2014). Overwhelming Majority of Companies Say Soft Skills Are Just as Important as Hard Skills, According to a New CareerBuilder Survey. Recuperado de http://www.careerbuilder.com/share/aboutus/pressreleasesdetail.aspx?ed=12/31/2014&id=pr817&sd=4/10/2014

Cook, S. D. N., & Yanow, D. (1996). Culture and Organizational Learning. In M. D. Cohen, & L. S. Sproull (Eds.). Organizational Learning (Cap. 19, pp. 430-459). Londres: Sage.

Creswell, J. W. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa : escolhendo entre cinco abordagens (3a ed.). Porto Alegre: Penso.

Davenport, T. H. (1998). Working knowledge: how organizations manage what they know. Boston: Harvard Business Press.

Davenport, T. H., & Manville, B. (2012). From the judgement of leadership to the leadership of judgement: The fallacy of heroic decision making. Leader to Leader, 2012(66), 26-32. doi: 10.1002/ltl.20046

Dixon, N. M. (1999). The organizational learning cycle: how we can learn collectively (2nd ed.). New York City: Routledge.

Duhá, A. H., & Porto, C. A. (2002). Práticas Adotadas por Empresas Gaúchas para Estimular o Aprendizado Organizacional: Estudo de Caso de Duas Organizações. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 26.

Erkelens, R., Hooff, B., Huysman, M., & Vlaar, P. (2015). Learning from Locally Embedded Knowledge: Facilitating Organizational Learning in Geographically Dispersed Settings. Global Strategy Journal, 5(2), 177-197. doi: 10.1002/gsj.1092

Fiol, C. M., & Lyles, M. A. (1985). Organizational Learning. Academy of Management Review, 10(4), 803-813. doi: 10.5465/AMR.1985.4279103

Fleury, M. T. L., & Oliveira, M. M. (2002). Aprendizagem e gestão do conhecimento. In M. T. L. Fleury (Org.). As pessoas na organização (Cap. 9, pp. 133-146). São Paulo: Gente.

Friedman, V. J., Lipshitz, R., & Overmeer. W. (2001). Creating Conditions for Organizational Learning. In M. Dierkes et al. (Eds.). Handbook of Organizational Learning & Knowledge (Cap. 34, pp. 757-774). Oxford: Oxford University Press.

Garvin, D. A. (1993). Building a Learning Organization. Harvard Business Review, 71(4), 78-91.

Gaspar, M. A., Santos, S. A., Donaire, D., Kuniyoshi, M. S., & Prearo, L. C. (2014). GESTÃO DO CONHECIMENTO EM AMBIENTES DE TELETRABALHO. Revista de Administração FACES Journal, 13(2), 47-66.

Giovannini, F., & Kruglianskas, I. (2004). Organização eficaz: como prosperar em um mundo complexo e caótico, usando um modelo racional de gestão. São Paulo: Nobel.

Grey, C. (2004). O Fetiche da Mudança. Revista de Administração de Empresas, 44(1), 10-25.

Hagel, J., III, & Brown, J. S. (2017). Help Employees Create Knowledge – Not Just Share It. Recuperado de https://hbr.org/2017/08/help-employees-create-knowledge-not-just-share-it

Hussinki, H., Kianto, A., Vanhala, M., & Ritala, P. (2017). Assessing the universality of knowledge management practices. Journal of Knowledge Management, 21(6), 1596-1621. doi: 10.1108/JKM-09-2016-0394

Kuniyoshi, M. S. (2008). Institucionalização da gestão do conhecimento: um estudo das práticas gerenciais e suas contribuições para o poder de competição das empresas do setor elétrico-eletrônico. Tese de doutorado (Administração), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lee, S., & Jin, Y. (2014). How Can Companies Harness a Learning Organization to Lead the Collaborative Culture?. Recuperado de http://digitalcommons.ilr.cornell.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1051&context=student

Lício, F. G. (2005). A gestão de conhecimento em uma empresa vendedora de conhecimento : o caso PricewaterhouseCoopers Brasil. Dissertação de mestrado (Administração), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Marqués, D. P., & Simón, F. J. G. (2006). The effect of knowledge management practices on firm performance. Journal of Knowledge Management, 10(3), 143-156.

Nonaka, I., & Johansson, J. K. (1985). Japanese Management: What About the “Hard” Skills?. Academy of Management Review, 10(2), 181-191. doi: 10.2307/257961

Nonaka, I., & Konno, N. (1998). The Concept of “Ba”: Building a Foundation for Knowledge Creation. California Management Review, 40(3), 40-54. doi: 10.2307/41165942

Nonaka, I. & Toyama, R. (2015). The Knowledge-creating Theory Revisited: Knowledge Creation as a Synthesizing Process. In J. S. Edwards (Ed.). The Essentials of Knowledge Management (Cap. 4, pp. 95-110). Basingstoke: Palgrave Macmillan.

Norris, P. (2015). Is Globalization Getting More Complex?. Recuperado de http://insights.som.yale.edu/insights/globalization-getting-more-complex

Perin, M. G., Sampaio, C. H., Duhá, A. H., & Bitencourt, C. C. (2006). Processo de aprendizagem organizacional e desempenho empresarial: o caso da indústria eletroeletrônica no Brasil. RAE eletrônica, 5(2), art. 14.

Plessis, M. (2007). Knowledge management: what makes complex implementations successful?. Journal of Knowledge Management, 11(2), 91-101. doi: 10.1108/13673270710738942

Shinoda, A. C. M., Maximiano, A. C. A., & Sbraglia, R. (2015). Gestão do Conhecimento em Organizações Orientadas para Projetos. Revista de Gestão e Projetos – GeP, 6(1), 95-110.

Veloso, E. F. R., Silva, R. C., Parker, C., Fischer, A. L., Dutra, J. S., & Amorim, W. A. C. (2013). Organizações orientadas para o atendimento ao cliente: a relação entre a estratégia e o clima para serviços. Gestão Contemporânea, 10(13), 289-312.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso : planejamento e métodos (4a ed., A. Thorell, Trad.). Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i3p125-145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: