“ESTUDO DO ESTRESSE OXIDATIVO EM FÍGADOS DE PEIXES Oreochromis niloticus CAPTURADOS EM AMBIENTES ARTIFICIAIS NA REGIÃO DE SOROCABA SP.”

Luciana Canabarro, Mércia Tancredo Toledo

Resumo


Este trabalho buscou investigar possíveis mecanismos de estresse oxidativo avaliando o balanço de processos pro-oxidantes e as defesas antioxidantes, em fígado de Oreochromis niloticus submetidos a diferentes tipos de ambientes artificiais. Os exemplares de peixes foram coletados na bacia do Rio Piragibu-Mirim (Sorocaba/ SP) ponto A, ambiente de represa, com fluxo de água corrente denominado ponto referencia, ponto B Lago do Paço com amostras de exemplares coletados em ambientes artificiais com pouco fluxo de água e ponto C Pesqueiro Maeda, com muito pouco fluxo de água, onde a água sai de um lago para outro. As coletas foram realizadas nos meses de Abril, Julho e Novembro de 2008. A análise de estresse oxidativo no fígado foi determinada através da peroxidação de lipídeos pela presença de malondialdeído (MDA), Glutationa-s-Transferase (GST) e Fosfatase Alcalina (FA). Nossos resultados demonstraram que os peixes coletados em locais de ambientes artificiais com menor fluxo de água corrente, apresentaram as seguintes características: Aumento da Proteína no Lago do Paço, Maeda semelhante ao ponto referência, Piragibu. O aumento de proteína do Fígado pode sinalizar modificações do ciclo celular por aumento do número de células ou de seu volume (hipertrofia ou hiperplasia hepática). Baixa atividade da fosfatase alcalina sinalizadora de mudanças no ciclo celular, nos peixes coletados no Maeda. A fosfatase alcalina regula o ciclo celular, controlando a replicação dos hepatócitos. Queda dos níveis de MDA, nos grupos Maeda e Paço, indicadores da peroxidação lipídica de membrana, porém os níveis da GST enzima antioxidativa, está diminuída, sinalizando que o fígado possa estar comprometido em suas defesas antioxidantes.
Não houve alterações significativas nas Transaminases ALT e ASP, sinalizadoras da função celular, porém a atividade alanina amino transferase apresentou-se com índices reduzidos, o que indica que os animais estão conseguindo adaptar-se e fazer seu metabolismo reagir ao estresse do ambiente artificial ao qual estão submetidos. Todos os resultados obtidos foram avaliados segundo Teste T não paramétrico Prisma.

Palavras-chave


Água, Lagos Artificiais, modificação ambiental

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários