ESTIMATIVA DA ELASTICIDADE-RENDA DO CONSUMO DE CARNES NO BRASIL EMPREGANDO DADOS EM PAINEL

Thiago Carbonari, César Roberto Leite da Silva

Resumo


Este trabalho procura estimar o impacto que a renda mensal média familiar exerce sobre o consumo físico das carnes bovina, suína e de frango em nove regiões metropolitanas do Brasil. Para isso, foram calculados os coeficientes de elasticidade-renda para o consumo físico desses tipos de carne empregando-se Dados em Painel. Os dados utilizados são provenientes das POFs 1987/88, 1995/96 e 2002/03., publicadas pelo IBGE. A carne bovina de primeira, seguida pelas carnes suína, bovina de segunda e de frango, foi a que, no geral, apresentou os maiores coeficientes de elasticidade-renda, o que mostra que a carne bovina de primeira e a carne suína possuem maior potencial de crescimento de consumo que as demais, caso haja aumento de renda da população brasileira. O emprego de Dados em Painel, com Efeitos Fixos e Temporais, para o cálculo das elasticidades-renda permitiu identificar eventuais diferenças no consumo das carnes estudadas entre as nove regiões metropolitanas brasileiras pesquisadas, bem como averiguar se houve alguma mudança no padrão de consumo dessas carnes no período coberto pelas POFs.

Palavras-chave


consumo de carne, elasticidade-renda da demanda, Brasil, dados em painel

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores:

Nacionais:

pesquisa & debate


Internacionais: