Interação entre estabilidade e ruptura, uma interpretação a partir do conceito de inovação e convenção.

Douglas Alcantara Alencar, Henrique Pavan Beiro de Souza, Fábio Pereira de Andrade, Fernando Henrique Taques

Resumo


O objetivo desse trabalho é entender a interação entre as convenções e o processo inovativo. Traçamos assim um paralelo entre a teoria das convenções em uma parte das ciências sociais com a teoria keynesiana das convenções, e por fim, sugerimos uma dinâmica entre ruptura e estabilidade, na qual, a dinâmica econômica proposta por Schumpeter e subjacente em Weber e Keynes, é uma dinâmica histórica. É no movimento histórico das revoluções organizacionais e tecnológicas que podemos notar o conflito entre estabilidade e ruptura. São nesses momentos em que sobressai a figura do empresário inovador, bem como as resistências a ele impostas. Ao mesmo tempo, pode-se perceber os pré-requisitos existentes para o salto evolutivo no sistema econômico. Desta forma, Schumpeter rompe com a tradição neoclássica e abre caminhos promissores de diálogo entre a economia e outras ciências sociais.

Palavras-chave


Convenção, inovação, ruptura

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores:

Nacionais:

pesquisa & debate


Internacionais: