A Poética da Transgressão de Gilka Machado

Júlio César Tavares Dias

Resumo


A poética de Gilka Machado é transgressora à medida que não se adéqua às expectativas sociais de sua época referentes ao que uma mulher poderia dizer/escrever. Nos versos dessa autora vemos ser constante a temática do desejo, o que lhe causou a rudez da crítica, por romper com os pudores que condenavam que a mulher expressasse desejar, restando-lhe o lugar de esperar ser desejada pelo homem. Neste nosso artigo buscamos ler os poemas de Gilka Machado relacionando-os com os mitos de transgressão. Verificamos, curiosamente, que quando nesses mitos é um homem que transgride a sua ação é vista como positiva e heróica, ainda que sofra sanções, já a transgressão feminina é sempre mal vista. Propomos então ler a transgressão feminina de uma forma positiva. 


Palavras-chave


poesia feminina, erotismo, transgressão, Gilka Machado.

Texto completo:

PDF

Referências


AULAGNIER-SPAINARI, Piera. Observações sobre a feminidade e suas transformações. In: CLAVREUL, Jean et al. O Desejo e A Perversão. Tradução Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1990. p. 67-96.

ARMSTRONG, Karen. Uma Pequena História do Mito. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BARTHES, Roland. Fragmentos de Um Discurso Amoroso. Tradução de Hortênsia dos Santos. 15ª edição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

BATAILLE, Georges. O Erotismo. 2ª edição. Tradução João Bernard da Costa. Lisboa: Moraes, 1980.

BÍBLIA SACRADA. Versão Almeida Século XXI. Disponível em:

BULFINCH, Thomas. O Livro de Ouro da Mitologia. Histórias de Deuses e Heróis. 34° edição. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

COELHO, Nelly Novaes. O erotismo na literatura feminina do início do século XX – da submissão ao desafio ao cânone. In: . Acessado em: 28/10/2008.

DURIGAN, Jesus Antônio. Erotismo e Literatura. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1986. (Coleção Princípios).

GELADO, Viviana. Poéticas da Transgressão. Vanguarda e Cultura Popular nos anos 20 na América Latina. Rio de Janeiro: 7Letras; São Carlos, SP: EdUFSCAR, 2006.

HOUAISS, Antônio. Dicionário HOUAISS da Língua Portuguesa. Versão eletrônica. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

MACHADO, Gilka. Poesias Completas. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL, 1978.

MOISÉS, Massaud. História da Literatura Brasileira. Vol. 4. Simbolismo. São Paulo: Cultrix, 1984. p. 255-258.

PERROT, Michelle. Minha História das Mulheres. Tradução de Angela M.S. Corrêa. 1ª. ed. 1ª reimp. São Paulo: Contexto, 2008.

PY, Fernando. Prefácio. In: MACHADO, Gilka. Poesias Completas. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL, 1978.

SOARES, Angélica. A Paixão Emancipatória: vozes femininas de liberação do erotismo na poesia brasileira. Rio de Janeiro: DIFEL, 1999.

VALLET, Odon. Uma Outra História das Religiões. Tradução e edição de Rosemarie Ziegelmaier e Silvio Fudissaku. São Paulo: Globo, 2002.

VERGARA, Elias Mayer. Visões Religiosas Alternativas Sobre Sexualidade. Disponível em: Acesso em: 12/02/2014.




DOI: https://doi.org/10.19143/2236-9937.2018v8n15p297-315

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.