O PROGRESSO DO PEREGRINO E A ÉTICA DA CONVERSÃO INDIVIDUALISTA

Marcelo Ramos Saldanha

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar a alegoria religiosa The Pilgrim's Progress, do escritor inglês John Bunyan, buscando encontrar no enredo e no contexto histórico que se entrelaça à obra, alguns elementos que nos permitam compreender o ethos da vida peregrina desse indivíduo em busca da sua salvação. Assim, considerando que a obra foi escrita como resposta ao conturbado cenário religioso e político da Inglaterra do século XVII, analisaremos o enredo, os dogmas e os símbolos religiosos presentes no livro, buscando compreender a relação entre fé e vida “mundana”, indivíduo e comunidade e, principalmente, o valor das narrativas de devoção na experiência de conversão, para, então, entender como tais valores, expostos nas potentes alegorias de Bunyan, geraram um universo lúdico e concreto que validou uma ética  religiosa, profundamente individualista, que se tornou a marca do conversionismo puritano, e que continua a fazer sentido, mesmo para pessoas que não compartilham do contexto histórico e social do escritor.

Palavras-chave


Pilgrim's Progress. John Bunyan. Puritanismo. Ética. Conversionismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem (Org.). De Dentro do Furacão: Richard Shaull e os primórdios da Teologia da Libertação. São Paulo: Sagarana, CEDI, CLAI, Programa Ecumênico de Pós- Graduação em Ciências da Religião, 1985.

ALVES, Rubem. Protestantismo e Repressão. São Paulo: Ática, 2005.

BAN, Joseph D. Was John Bunyan a Baptist? Baptist Quarterly, v. 30, n. 8, p. 367–376, 1984.

BUNYAN, John. Grace Abounding to the Chief of Sinners. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018

BUNYAN, John. O Peregrino. Trad. Eduardo Pereira e Ferreira. São Paulo: Mundo Cristão, 2006.

BUNYAN, John. Graça abundante: para o principal dos pecadores. São Paulo: Editora Fiel, 2012.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Os “Dois Caminhos”: Observações sobre uma gravura protestante. Horizonte, Belo Horizonte, v.12, n.34, p. 339-381, 2014.

CALVINO, João. As Institutas ou Tratado da Religião Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, v. 3, 2006.

DAVIES, Michael. Graceful Reading: Theology and Narrative in the Works of John Bunyan. Oxford: Oxford University Press, 2002.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 1992.

ERICKSON, Millard J. Teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2015.

ESPERANDIO, Mary Rute. A produção de sentido no âmbito religioso: o modo de subjetivação Batista. Protestantismo em Revista, v. 01, p. 6-30, jan-dez, 2002.

GONZÁLEZ, Justo L. A Era dos Reformadores. São Paulo: Edições Vida Nova, 1994.

GRAY, John. A Morte da Utopia. Tradução de Freitas e Silva. Lisboa: Guerra & Paz, 2008.

GREAVES, Richard L. John Bunyan and Covenant Thought in the Seventeenth Century. Church History. v. 36, n. 2, jun., p. 151-169, 1967.

HILL, Christopher. As origens intelectuais da revolução inglesa. Tradução de Jefferson Luís Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MENDONÇA, Antônio Gouvêa. O celeste porvir: a inserção do protestantismo no Brasil. 3. ed. São Paulo: EdUSP, 2008.

NICHOLS, Robert Hastings. História da Igreja Cristã. 11. ed. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 2000.

RENDERS, Helmut. A Gravura – o Caminho Estreito e o Caminho Largo, de Hieronymus Wierix, de 1600: uma análise Panofskiana de uma obra da Reforma Católica com Ecos Latino-americanos. Estudos de Religião, v. 30, n. 2, p. 195-227, maio-ago. 2016.

TILLICH, Paul. História do pensamento cristão. São Paulo: ASTE, 1988.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2020v20p318-345

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.