A METÁFORA VIVA DE PAUL RICOUER

Hermide Menquini Braga

Resumo


Ricouer parte da Poética de Aristóteles que considera a metáfora composta por diáfora e epifora. Nessa conceituação percebe-se a epífora1 como a alma da metáfora. O material da epífora liga-se ao potencial criativo do poema e depende da intuição, responsável pela percepção do ícone.Por outro lado, aquilo que contemporaneamente se sabe do imaginário vem de Gaston Bachelar2 (assunção de Paul Ricoeur). A fenomenologia do imaginário, de certa forma admite uma origem psíquica para a linguagem poética.. Paul Ricoeur levanta, então, meta que ele considera a solução da questão; investigar a possibilidade de a denotação não ser apenas a forma de expressão dos enunciados científicos. A referência invertida produz denotação metafórica, não conotação, pode-se dizer uma forma estável, racional, harmonizada com a postura contemporânea das ciências, da filosofia da linguagem, que reconhece na expressividade do símbolo o potencial, independente da emoção.

Palavras-chave


Paul Ricoeur; Aristóteles; ícone; referência invertida

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.