COMER E REZAR: O PAPEL DAS PRÁTICAS ALIMENTARES NO ESTUDO DA RELIGIÃO

Patricia Rodrigues de Souza

Resumo


Entre as muitas abordagens que se pode utilizar no estudo das religiões, encontra-se a estética da religião, campo que busca compreensão do objeto pelo do uso dos sentidos. O artigo visa problematizar o uso dos sentidos versus fontes textuais como evidências. O artigo concentra-se no estudo da alimentação e nas questões relativas ao paladar como ferramenta para observação da experiência religiosa. Ressalta-se aqui o fato de que uma hierarquização dos sentidos deixa o paladar como o último sentido em escala de importância, isto, associado a uma maneira “protestante” de estudar as religiões nubla muitas das possibilidades de se utilizar os sentidos, em especial paladar e olfato, como fonte de evidências da experiência religiosa, ainda que praticamente “todas” as religiões utilizem-se da comida em seus rituais ou tenham algum tipo de norma acerca de sua produção e/ou consumo. O artigo contém breve estado da arte, bem como alguns exemplos do uso das comidas nas religiões, além de menções de estudiosos que estão seutilizando da alimentação para observação e compreensão das experiências religiosas.


Palavras-chave


alimentação e religião; estética da religião; religião; sentidos; paladar nas religiões.

Texto completo:

PDF

Referências


"ALBALA, Ken. e EDEN, Trudy.(Org.) Food and faith in Christian culture. New York:"

"Columbia University Press, 2011."

"ALLEN, J. The omnivorous mind. Our evolving relationship with food. Cambridge: Havard University Press, 2012.

BANDLER, R. e GRINDER, J. A estrutura da magia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 1977.

CAMARGO-MORO, F. Arqueologias culinárias da Índia. Rio de Janeiro, São Paulo: editora Record, 2009.

CORBIN, A. Saberes e odores. São Paulo: Cia. Das letras, 1987.

. Histoire et antropologie sensorielle. Antropologie et sociétés, 14 (2) : 13-24, 1990. CORBIN, A. COURTINE, J-J. e VIGARELLO, G. História o corpo. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

EZQUIBELA, I. J. Prescripciones y tabúes alimentarios: el papel de las religiones. In: Distribuicion y Consumo. Barcelona, Novembro-Dezembro, 2009.

FREYRE, G. Açúcar: Uma sociologia do doce, com receitas de bolos e doces do Nordeste do Brasil. São Paulo: Global, 2007.

GRESCHAT, H-J. O que é ciência da religião? São Paulo: Paulinas, 2005, p. 77. GRUMMET, David. e MUERS, Rachel. (Ed.) Eating and believing: Interdisciplinary perspectives on vegetarianism and theology. London: T&T Clark, 2008.

HARVEY, G. Food, Sex and Strangers. Understanding religion as everyday life. Durham: Acumen Publishing Limited. 2013.

. Respectfully eating or not eating. Putting food at the centre of religious studies. Turku, Finland: Scripta Donnerianni Instituti Aboensis, Religion and Food, Vol. 26, 2015. Disponível em: http://ojs.abo.fi/index.php/scripta/issue/view/74/showToc.

HOCK, K. Introdução à ciência da religião. São Paulo: edições Loyola, 2010. JAMAL, S. Aroma árabe: receitas e relatos. São Paulo: editora Senac São Paulo, 2005.

MONTANARI, M.(Org.). O Mundo na cozinha. História, identidade, trocas.São Paulo: Senac São Paulo, 2009.

NASCIMENTO, A. B. Comida: Prazeres, gozos e transgressões. Salvador: EDUFBA, 2007. ONFRAY, M. A Razão Gulosa. Filosofia do gosto. Rio de Janeiro: Ed. Rocco, 1999.

PASSOS, J. D. e USARSKI, F. (Orgs.) Compêndio de ciência da religião. São Paulo: Paulinas: Paulus, 2013.

PINHEIRO, R. Hábitos Alimentares. Salvador: Casa da Qualidade. 1999."




DOI: https://doi.org/10.23925/1980-8305.2018i2p111-122

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.