Avaliação do crescimento em longo prazo no recém-nascido pré-termo egresso de unidade de terapia intensiva neonatal

Maria Silian Mandu da Fonseca, Pedro Jorge Furtado de Freitas, Rodrigo Crespo Barreiros, Cyntia Watanabe, Cláudia Mescolotto Gimenes

Resumo


Objetivos: Avaliar a recuperação do crescimento em crianças que foram prematuras, nascidas com idade gestacional (IG) menor ou igual a 34 semanas, com idade entre 16 e 24 meses, egressas de unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN) com tempo de internação maior ou igual a 4 semanas. Buscou-se também relacionar a recuperação do crescimento à história materna, às condições de nascimento, à alimentação e à intervenção terapêutica utilizada durante a internação em UTIN. Metodologia: O cenário de realização da pesquisa foi o Ambulatório de Prematuridade do Ambulatório de Especialidades “Dr. Nelson da Costa Chaves”, do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), no período de agosto de 2014 a abril de 2015, identificando o lactente e, posteriormente, analisando diretamente os prontuários. Foi utilizado um formulário composto de cinco partes: história materna, condições de nascimento, intervenção terapêutica do recém-nascido (RN), alimentação e avaliação do crescimento da criança. Resultados: Dos 11 participantes, 2 não recuperaram o crescimento esperado, 2 não recuperaram o perímetro cefálico e apenas um não recuperou o peso mínimo esperado. Conclusão: Maior atenção deve ser dada ao acompanhamento pré-natal, principalmente devido às patologias que podem resultar em uma restrição de crescimento intrauterino e no trabalho de parto prematuro, gerando prejuízos muitas vezes irreparáveis aos RNs.


Palavras-chave


recém-nascido; prematuro; crescimento; unidades de terapia intensiva neonatal

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Preterm birth [Internet]. Fact sheet no 363. 2014 [acesso em 19 set. 2015]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs363/en/

Glass HC, Costarino AT, Stayer SA, Brett CM, Cladis F, Davis PJ. Outcomes for extremely premature infants. Anesth Analg. 2015;120(6):1337-51.

Martins MG, Santos GHN, Sousa MS, Costa JEFB, Simões VMF. Associação de gravidez na adolescência e prematuridade. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011; 33(11):354-60.

Jiménez Martín AM, Servera Ginard C, Roca Jaume A, Frontera Juan G, Pérez Rodríguez J. Seguimiento de recién nacidos de peso menor o igual a 1.000 g durante los tres primeros años de vida. An Pediatr. 2008;68(4):320-8.

Freitas M, Kernkraut AM, Guerrero SMA, Akopian STG, Murakami SH, Madaschi V, et al. Acompanhamento de crianças prematuras com alto risco para alterações do crescimento e desenvolvimento: uma abordagem multiprofissional. Einstein. 2010;8(2 Pt 1):180-6.

Niklasson A, Engstrom E, Hard AL, Wikland KA, Hellstrom A. Growth in very preterm children: a longitudinal study. Pediatr Res. 2003;54(6):899-905.

Cardoso-Demartini AA, Bagatin AC, Silva RPGVC, Boguszewski MCS. Crescimento de crianças nascidas prematuras. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2011; 55(8):534-40.

Rugolo LMSS. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. J Pediatr. 2005; 81(1):S101-10.

Batista RF, Silva AM, Barbieri MA, Simões VM, Bettiol H. Factors associated with height catch-up and catch-down growth among schoolchildren. PLoS One. 2012;7(3):e32903.

Santos GHN, Martins MG, Sousa MS, Batalha SJC. Impacto da idade materna sobre os resultados perinatais e via de parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31(7):326-34.

Kanani S, Allahverdipour H, AsghariJafarabadi M. Modeling the intention to choose natural vaginal delivery: using reasoned action and social cognitive theories. Health Promot Perspect. 2015;5(1):24-33.

Betrán AP, Gulmezoglu AM, Robson M, Merialdi M, Souza JP, Wojdyla D, et al. WHO global survey on maternal and perinatal health in Latin America: classifying caesarean sections. Reprod Health. 2009;6:18.

Onoh RC, Eze JN, Ezeonu PO, Lawani LO, Iyoke CA, Nkwo PO. A 10-year appraisal of cesarean delivery and the associated fetal and maternal outcomes at a teaching hospital in southeast Nigeria. Int J Womens Health. 2015;7:531-8.

Oliveira MMC. Avaliação do crescimento de crianças prematuras de muito baixo peso egressas da unidade de internação neonatal [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2005.

Cooke RJ. Catch-up growth: implications for the preterm and term infant. Eur J Clin Nutr. 2010;64 Suppl 1:S8-10.

Zhang J, Merialdi M, Platt LD, Kramer MS. Defining normal and abnormal fetal growth: promises and challenges. Am J Obstet Gynecol. 2010;202(6):522-8.

Nascimento MBR, Issler H. Aleitamento materno em prematuros: manejo clínico hospitalar. J Pediatr (Rio J). 2004;80(5):163-72.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201625613

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.