A re-significação da formação permanente, da identidade presbiteral e da identidade do presbítero

João da Silva Mendonça Filho

Resumo


O autor mostra que a formação permanente não pode ser compreendida hoje senão a partir da re-significação da identidade presbiteral e da identidade do presbítero numa grande metamorfose social e, consequentemente, eclesial. Há não apenas o fato em si da formação permanente, mas o intertexto no qual ela se situa na mudança de época. O presbítero, consciente ou não, se redefine dentro da malha cultural. O autor mostra também que desde o pós-Concílio Vaticano II os modelos de presbítero se redefinem, sobretudo no Brasil. No dinamismo destas mudanças, o imaginário coletivo, individual e as ficções que sempre caracterizam o ser humano mudaram, contribuindo também para novas interpretações da identidade, natureza e missão do presbítero católico. A formação permanente, portanto, não pode ser delegada a ninguém; o presbítero é o primeiro protagonista do processo ao longo das idades da vida e de suas vivências espirituais e pastorais. O autor destaca também algumas perspectivas para o ministério presbiteral que devem ser assumidas neste grande processo de mudanças. Mudou o mito, o presbítero, mudaram as narrativas sobre o mito, e a arte e a literatura também sofreram transformações. Por conseguinte, faz-se urgente pensar o jeito de ser padre hoje com o custo de perder o rumo da história.

Palavras-chave


presbítero; presbiteral; formação permanente; metamorfose; re-significação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19176/rct.v0i71.15393

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



A Revista de Cultura Teológica está:

Associada a:

Indexada em:

  Google Acadêmico

Presença em Bibliotecas: