Os benefícios da fisioterapia ginecológica para as profissionais do sexo: uma revisão de literatura

Francisco Eudison da Silva Maia, Ellen Luzia Rebouças Moura, Erick de Castro Madeiros, Antônio Gabriel Kaio de Oliveira Pinto, Roney Remo Praxedes Carvalho, Saniely Aratany Lacerda da Silva, Sâmya Pires Batista

Resumo


O presente artigo tem como objetivos demonstrar a anatomia e fisiologia do assoalho pélvico, relatar a historicidade e legalidade da prostituição, apontar as disfunções do assoalho pélvico nas profissionais do sexo e abordar a importância do tratamento e dos exercícios fisioterapêuticos para estas profissionais. Caracteriza-se como uma revisão de literatura, sendo consultadas as que foram publicadas no período de 2000 a 2012 e utilizados critérios quali-quantitativos para a escolha das mesmas, onde foram utilizados para a pesquisa descritores pré-determinados. Adicionamos a intervenção fisioterapêutica e os seus recursos que resultaram em benefícios satisfatórios. Há escassez na literatura atual sobre a área da fisioterapia ginecológica.


Palavras-chave


modalidades de fisioterapia; assoalho pélvico; mulheres; profissionais do sexo

Texto completo:

PDF

Referências


Moore KL, Dalley AF. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

Rodrigues MT. A prostituição no Brasil contemporâneo: um trabalho como outro qualquer? Rev Katál. 2009;12(1):68-76.

Piassarolli VP, Hardy E, Andrade NF, Ferreira NO, Osis MJD. Treinamento dos músculos do assoalho pélvico nas disfunções sexuais femininas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010;32(5):234-40.

Netter FH, Machado CAG. Atlas interativo de anatomia humana [CD-ROM]. Versão 3.0. New York: Icon Learning Sytems; 2004.

Serapioni M. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: algumas estratégias para a integração. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):187-192.

Polpen M, Mantle J. Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia. São Paulo: Santos; 2002.

Santos PG, Pedroso MA. Exercícios perineais para prevenir a incontinência urinária no puerpério. Rev Enferm UNISA. 2007;8:54-7.

Fonai ACV, Delitti M. Algumas contingências mantenedoras do comportamento de prostituir-se. Rev Bras Ter Comport Cogn. 2007;9(1):103-13.

Guimaraes K, Merchan-Hamann E. Comercializando fantasias: a representação social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Rev Estud Fem. 2005;13(3):525-44.

Brasil. Câmara Federal. Projeto de Lei n. 98 de 2003 (do Sr. Fernando Gabeira). Brasília: Câmara Federal; 2003.

Grupo Da vida. Prostitutas, “traficadas” e pânicos morais: uma análise da produção de fatos em pesquisas sobre o “tráfico de seres humanos”. Cad Pagu. 2005;(25):153-84.

Lazzarini KC, Carvalho F. Intervenção fisioterapêutica na disfunção sexual feminina – um estudo de caso. 3º Seminário de Fisioterapia da Uniamérica [Internet]. Foz de Iguaçu: Faculdade União das Américas; 2009 [acesso em 10 set. 2012]. Disponível em: http://www.uniamerica.br/transporte/3seminario/psd/artigos/Disfuno_sexual_Feminina_-_Corrigido%5B1%5D.pdf.

Oliveira KAC, Rodrigues ABC, Paula AB. Técnicas fisioterapêuticas no tratamento da incontinência urinária de esforço na mulher. Rev Eletrônica F@pciência. 2007;1(1):31-40.

Botelho F, Silva C, Cruz F. Incontinência urinária feminina. Acta Urol. 2007;24(1):79-82.

Lara LAS, Silva ACJSR, Romão APMS, Junqueira FRR, et al. Abordagens das disfunções sexuais femininas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008;30(6):312-21.

Ribeiro RM, Rossi P. Incontinência urinária de esforço. Tratado de ginecologia. 3ª ed. São Paulo: Roca; 2000.

Baracho E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos de mastologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

Rede Brasileira de Prostitutas. Legislação sobre a prostituição no mundo [Internet]. 2012 [acesso em 10 set. 2012]. Disponível em: http://www.redeprostitutas.org.br/index.swf.

Swain TN. Banalizar e naturalizar a prostituição: violência social e histórica. Montes Claros. 2004;6(2):23-8.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.